Como teve início a rivalidade entre Juventus e Inter

Helenio Herrera fez história na Inter, com três scudetti, duas Liga dos Campeões e dois Intercontinentais, mas sofreu uma derrota de 9 a 1 sem dó nem piedade no ano em que chegou em Milão. Na partida realizada em 10 de junho de 1961, no estádio Olímpico de Turim, a Juventus viu o ídolo Giampiero Boniperti fazer seu último jogo com a camisa do clube. A data ficou marcada como a "criação extra-oficial" de uma nova rivalidade na Itália.


A Inter conquistou o scudetto de inverno na temporada 1960-61. O time atropelou Atalanta e Vicenza com cinco gols, Udinese com seis e ainda venceu a Juve por 3 a 1, em casa. A equipe caiu de rendimento no segundo turno, entre março e abril, perdeu quatro jogos na sequência e a Velha Senhora alcançou a liderança do campeonato, abrindo quatro pontos de vantagem. A Juventus, por sua vez, vinha de quatro vitórias consecutivas: depois da derrota ante o Milan, bateu o rival Torino, Bologna, Roma e Vicenza. Portanto, a partida marcada para 16 de abril era muito importante para as duas equipes.


Getty Images
Getty Images

Boniperti é o 2º maior artilheiro da história da Juve, com 179 gols, atrás de Del Piero (289)


O problema foi que ocorreu superlotação no Olímpico. Mais de cinco mil torcedores ficaram praticamente dentro de campo, nas linhas laterais, assistindo o jogo - fora aqueles que conseguiram chegar ao banco de reservas da Inter. O árbitro encarregado da partida era Carlo Gambarotta, que tinha apitado apenas uma derrota nerazzurri em nove partidas. Ele deu início ao jogo normalmente, mas encerrou o encontro devido aos torcedores próximos ao gramado ainda no primeiro tempo.


De acordo com as regras do campeonato, a Inter foi declarada com uma vitória por 2 a 0. A Juventus apelou à decisão junto à Federação Italiana de Futebol (FIGC) – Umberto Agnelli era o presidente do clube e da entidade. O resultado saiu no último dia da temporada, em 3 de junho: a vitória interista foi retirada; a partida seria jogada novamente. Os torcedores nerazzurri ficaram furiosos, pois o resultado da ação daria, na prática, o título ao clube de Turim. Ainda mais, para eles, que dois anos antes a Juve tinha sido beneficiada com uma vitória parecida e não apelou à decisão.


Com a derrota na última rodada para o Catania, o presidente da Inter, Angelo Moratti, e o técnico também ficaram possessos e resolveram protestar contra a decisão da FIGC. Eles optaram por colocar o time Primavera (idade limite de 19 anos) em campo contra a Juventus. Os jovens da Inter não conseguiram parar as pernas ágeis de Omar Sivori, autor de seis dos nove gols da Juventus naquele 9 a 1 de junho. Os outros tentos foram marcados por Bruno Mora, Bruno Nicolè e Francesco Riefolo (contra); Sandro Mazzola descontou.


Ao fim da partida, os jogadores e torcedores comemoraram o título da Juventus. Giampiero Boniperti tirou as chuteiras e as entregou ao técnico Carlo Parola, dizendo: “Tome. Elas já não me servem. Hoje deixo o futebol”. O lendário Il Marisa, apelido dado por conta da cor do cabelo, encerrou a carreira com 182 gols (segundo maior artilheiro do clube) e 459 jogos disputados com a camisa bianconera.


O ídolo aposentou e a rivalidade iniciou.