Juventus: folga na liderança sob às ordens de Higuaín e renegados

A partida encerrada há pouco, nesta quarta-feira (14), foi uma excelente síntese de como a Juventus está se portando em 2018. A defesa tem sido cada vez mais sólida, o ataque tem correspondido na hora certa e a vantagem na liderança, finalmente, está do lado bianconero – que agora vê o Napoli precisando tirar quatro pontos na classificação.



Curta o Gazzebra no Facebook.



Gonzalo Higuaín participou dos dois gols para manter a sequência decisiva neste começo de reta final da temporada. Agora ele soma 10 tentos em 2018, período este que a Juve desconhece a derrota e praticamente não viu Gianluigi Buffon ou Wojciech Szczesny buscar a bola no fundo da rede (aconteceu somente uma vez).


Getty Images
Getty Images

De Sciglio, Matuidi e Higuaín jogaram muito contra a Atalanta


A Juve, desta vez, não precisou de um Paulo Dybala extremamente decisivo para salvar três pontos – ou a classificação, como aconteceu em Londres. Ainda que tenha feito o cruzamento para Higuaín escorar e Blaise Matuidi marcar o dele, outros jogadores foram bem mais atuantes que o argentino no Allianz: o próprio ex-PSG e Douglas Costa, por exemplo.


ESPN.com.br | Juventus vence partida adiada contra a Atalanta e abre vantagem na liderança do Italiano


Acredito, porém, que os renegados das laterais mereçam destaque. Kwadwo Asamoah ficou naquele sai-não-sai nas últimas três janelas de transferências – bem próximo, inclusive, de acertar com o Galatasaray. Sem a explosão de outrora, o ganês tem sido um ativo tão confiável quanto Alex Sandro, até este momento abaixo da normalidade.


Pelo outro lado, Mattia De Sciglio conseguiu retomar os ótimos momentos que viveu sob comando de Max Allegri no Milan. O lateral-direito, mesmo sem ser titular indiscutível, tem jogado muito bem. O italiano não é um primor, um talento nato, contudo, tem mostrado que consegue solucionar uma das áreas que a Juventus mais sofreu em temporadas recentes.


Os melhores jogos de Daniel Alves pelo bianconero aconteceram, também, na parte final da temporada; e enquanto ele foi escalado como ala ou avançado. Isso responde, de certa forma, porque Stephan Lichtsteiner segue no elenco.




A mudança repentina que a Juventus promoveu no Wembley, com a virada após a entrada do suíço, foi uma amostra que ele ainda pode ser útil – mas há um limite de tempo: o lateral não consegue mais prover um impacto daquela magnitude durante 90 minutos. De Sciglio, por outro lado, tem conseguido. O entrosamento com Douglas Costa e Federico Bernardeschi está cada vez melhor, com os extremos abrindo espaço para o lateral chegar ao fundo. Só não há tanta prova com Juan Cuadrado porque os grandes momentos da dupla aconteceram enquanto o outro estava machucado.


Quando mais importa em um campeonato bem parelho, a Juventus segue se impondo nos instantes conclusivos. Ruim para os adversários.