Ronaldo zerado na estreia exemplifica a dificuldade de fazer gols na Serie A

Provavelmente você já ouviu que é mais difícil marcar gols na Itália. Contam que os sistemas defensivos são fortíssimos e os atacantes têm dificuldades em todas as partidas. Carlos Tévez chegou a afirmar que a Serie A é como a universidade se comparada as outras ligas, inferiores. Para Cristiano Ronaldo, apesar dele sempre ter se provado no mais alto nível, o exemplo foi correto na estreia.



Curta o Gazzebra no Facebook. Siga Murillo Moret no Twitter.



Daqueles que chegaram do estrangeiro, somente o próprio argentino marcou no debute. Alvaro Morata e Fernando Llorente passaram em branco. Kingsley Coman, Douglas Costa – e até mesmo Federico Bernardeschi, este nacional – tropeçavam na bola e na marcação antes de se adaptar.



“[A Itália] é a universidade do futebol. As táticas aqui estão no nível mais alto e nós vamos sofrer em todos os campos. A Itália está me completando. Se você faz gols aqui, você marca em qualquer lugar”, declarou Tévez à Gazzetta dello Sport em 2014.


No Marc’Antonio Bentegodi, no último sábado (18), foi exatamente isso. Era Ronaldo contra três ou mais defensores quase sempre. Enquanto Mario Mandzukic ficou no banco, o time ficou condicionado a cruzamentos – tanto é que o Chievo teve 30 rebatidas até o minuto 60, minuto da entrada do croata. Quando os zagueiros não levaram vantagem contra o camisa 7, Stefano Sorrentino estava presente para interferir em qualquer chute dele.


Por mais que o Chievo seja uma equipe que lutará na parte de baixo da tabela, a estreia numa Verona abafada mostrou que a Juventus não pode dar a vitória como certa. O time estava bastante relapso no último terço – de furadas incríveis do próprio Ronaldo a jogadas pouco inteligentes de Juan Cuadrado – e levou a virada em duas chegadas do adversário.


ESPN.com.br | Cristiano Ronaldo passa em branco na estreia, mas Juventus vence Chievo de virada no apagar das luzes


Do jogo em si, a melhor notícia foi Bernardeschi entrar na etapa final, participar do gol de empate e marcar o da virada, nos minutos finais. Impacto estrondoso daquele que foi um dos atletas com desempenho interessante durante a pré-temporada nos Estados Unidos. Por outro lado, meu coração é fraco, e João Cancelo marcando é mais ainda.