Juventus sempre na gangorra, mas sempre invicta no campeonato

As últimas partidas da Juventus têm sido uma diversão tremenda — nem sempre para os torcedores; muitas vezes para os rivais. Para quem gosta de imprevisibilidade, o bianconero fez um primeiro tempo horrível contra a Lazio, sofreu empate em casa no último lance para o Parma depois de abrir 3 a 1 e foi eliminado pela Atalanta na Coppa Italia. Para quem não curte, a vitória contra o Sassuolo, no último domingo (10), colocou o time invicto a 11 pontos de distância do Napoli.



Curta o Gazzebra no Facebook. Siga Murillo Moret no Twitter.



A blitz e a marcação avançada que a Lazio fez tão bem no confronto em Roma, na última semana de janeiro, mostrou alguns caminhos que os adversários da Juventus podem aproveitar. O Sassuolo copiou, e só não se deu bem porque Sensi errou o gol e Szczesny tirou a bola do pé de Djuricic após um começo horroroso de Rugani.


A Juventus passa a impressão que não consegue assimilar que o rival pode, sim, pressioná-la na saída de bola. Escalando Rugani, Cáceres, Khedira, Pjanic e Matuidi, a Senhora demonstrou fragilidade defensiva (apesar da boa apresentação do uruguaio) e na construção de jogo. A vitória para 3 a 0, obviamente, comprova a superioridade do time visitante ao mesmo tempo que esconde a falta de sorte mesclada com a incompetência dos neroverdi — com Berardi errando o gol vazio ou Babacar parando no goleiro.


ESPN.com.br | Cristiano Ronaldo decide contra o Sassuolo, vira artilheiro da Série A, e Juventus amplia vantagem na classificação


Bato na tecla da instabilidade da defesa apesar da ausência da dupla titular. Ainda que há a projeção de retorno de Chiellini e Bonucci, o Atlético de Madrid vai usar dos mesmos artifícios que a Juve pena para enfrentar na próxima semana. A diferença é que, no Wanda Metropolitano, quem vai entrar na área sozinho é Saúl, e não Sensi ou Locatelli.


Allegri deu a dica que Pjanic joga o confronto em Madri, afinal, o time não funciona sem ele. Diante o Sassuolo, Pjanic se destacou na criação, mas viu Khedira e Matuidi em noite abaixo da crítica. Destaca-se, aqui, o gol e uma cabeçada para fora do alemão, cada vez mais acostumado à função de elemento-surpresa-dentro-da-área-mas-que-tem-dificuldade-para-fazer-qualquer-outra-ação.


Getty Images
Getty Images

Na comemoração do gol de Ronaldo, os destaques da Juventus contra o Sassuolo


O técnico ficou feliz porque a Juventus conseguiu manter o Sassuolo zerado e criou oportunidades tão competentes como ante o Parma, na última rodada. Ao recuar Bernardeschi para a meia, ele, Ronaldo e Mandzukic tiveram liberdade para atravessar o campo e obter vantagem contra o Sassuolo. O italiano foi bem, o croata criou outras duas chances de gol e o português deixou o dele.


Se Dybala tinha Douglas Costa como principal concorrente por uma vaga no time, o argentino agora vê Bernardeschi em alta, atuando no mesmo nível antes da lesão no adutor, em novembro último. Para criar dor de cabeça em Allegri, o camisa 10 causou impacto nos sete minutos que ficou em campo, participando do terceiro gol da Juve.


A equipe tem problemas, transpira e corre, porém, segue jogando o necessário para vencer no Italiano. Provavelmente será assim contra o Frosinone, nesta semana. Esperemos o teste de ferro contra o Atleti. Não dá para tirar o pé.