Alexandre Mattos usa o Projeto Juventus no Palmeiras

Um dos principais movimentos da Juve pós-Calciopoli fora dos gramados foi a contratação de Giuseppe Marotta para gerir o futebol do clube. O ex-diretor, que fez trabalho ótimo na Sampdoria na década passada, deu uma nova cara ao clube com o Projeto Juventus. Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, parece seguir a cartilha bianconera.


Divulgação/Juventus
Divulgação/Juventus

Beppe Marotta apostou no jogador escorraçado do Milan, um tal de Andrea Pirlo


A primeira temporada com Marotta foi recheada de críticas pela sétima colocação na tabela ao fim do campeonato. O projeto estabelecido com a nova diretoria, encabeçada por Andrea Agnelli, prezava reestabelecer de forma homogênea tanto o futebol quanto as finanças. Para isso, em 2010-11, 16 atletas foram contratados - sendo 14 destinados exclusivamente aos cuidados do técnico Luigi Delneri no time principal.


A ideia implantada era de levar a Turim jogadores que não estavam em plena boa fase - jovens ou experientes. Todas as contratacões foram encaminhadas e estudadas pelo corpo técnico do clube. Quagliarella e Matri são representantes do primeiro ano de Marotta, mas, adiantando às épocas conseguintes, Pirlo, Barzagli, Tévez e Evra foram contratados sob as mesmas circustâncias. Os dois primeiros, aliás, são frutos primordiais desse planejamento: Pirlo tinha sido escorraçado do Milan e Barzagli estava encostado no Wolfsburg após bom ano no Palermo.


Lucas, João Paulo, Rafael Marques, Gabriel e Kelvin são a essência do Projeto Juventus (ou Projeto Palmeiras, nesse caso). O lateral-direito estava sem clube e o esquerdo não era aproveitado pelo Flamengo. Kelvin não era titular no Porto, Gabriel estava deslocado no Botafogo e Rafael Marques jogava em uma liga inferior ao Brasileirão. É possível colocar Zé Roberto, Alan Patrick e Aranha (se assinarem) neste grupo também.


Robinho, Vitor Hugo, Andrei Girotto, Dudu, Leandro, por outro lado, não estão completamente fora do projeto. No início da gestão, Marotta gastou uma dinheirama para tirar Bonucci do Bari, Motta e Pepe da Udinese e Krasic do CSKA Moscou. 


Cesar Greco/Agência Palmeiras/Divulgação
Cesar Greco/Agência Palmeiras/Divulgação

Lucas e João Paulo (ao fundo) em entrevista coletiva no Palmeiras


José Malia, no blog da ESPN, escreveu sobre alguns pernas-de-pau que Mattos contratou durante pouco mais de dois anos no Cruzeiro. William Magrão, Martinuccio, Nirley, Ananias, Charles, Sandro Silva... Nenhum diretor está imune aos pernas-de-pau. Acontece. Em Turim, Aquilani, Bendtner, Traoré e Martínez (que custou 12 milhões de euros!) fizeram bem menos que o esperado - e o esperado já era pouco.


Nestes mesmos dois anos, o diretor assinou com 40 jogadores. No mesmo período, a Juventus investiu em 47 novos atletas - seis deles foram reforços para o time juvenil. Parece muita coisa, porém, foi o necessário para uma equipe que desejava se reformular. 


Se o Palmeiras quer iniciar uma nova época vitoriosa, o Projeto Juventus está aí para mostrar que não é difícil evoluir. No segundo ano de Projeto, a Velha Senhora conquistou título. E depois, também. No seguinte, a mesma coisa. O sucesso da fórmula comprovou-se dentro de campo.