Tévez teve dia de Michael Jordan contra o Milan

Michael Jordan acordou assustado entre os jogos 4 e 5 da final da NBA, em 1997. Tremendo e suando, ele foi diagnosticado com intoxicação alimentar. Ficou o dia inteiro seguinte na cama, vomitou durante a noite e, de certo, não treinou por conta dos sintomas de gripe. Às 15h do dia da partida, ele saiu do quarto, colocou o terno e se encaminhou para o Delta Center.


O Utah Jazz bem que tentou, mas, mesmo debilitado, desidratado e ofegante, Jordan marcou 38 pontos e ajudou o Chicago Bulls a abrir 3-2 na série.


No futebol, Tévez está longe de ser o que Jordan representou ao basquete. Mesmo assim, o argentino pode se comparar ao ex-atleta.


Getty Images
Getty Images

Tévez não consegue ser parado mesmo com sintomas de gripe


O atacante também não acordou bem na última sexta-feira. Ele estava resfriado e com febre. Assim, Massimiliano Allegri deu folga ao jogador. A situação não é incomum durante este período do ano na Itália. Afinal, os termômetros registraram 1ºC às 20h45, horário do confronto deste sábado.


E lá estava Tévez na escalação inicial da Juve ao lado de Morata. Bem verdade que o argentino procurou muito a bola durante os primeiros minutos - em que o companheiro espanhol e Vidal se destacaram.


Eis que aconteceu. Atrás do meio de campo, Morata recuperou a bola perdida por Alex e passou para Tévez. O atacante dominou, engatou a terceira marcha, ganhou na corrida de Paletta e chutou na saída de Diego López. Com febre. E parcialmente debilitado também. O camisa 10.


O lance, de fato, foi bastante polêmico, pois a impressão inicial foi de impedimento. Outras imagens mostraram que o posicionamento de Zaccardo dava condições para o prosseguimento da jogada. Até o momento, nada conclusivo.


O adjetivo "guerreiro" não me agrada. Acho raso. Tévez fez um clássico tremendo. Ele ainda participou do segundo gol, o de Bonucci, assistindo o zagueiro no lance. Tévez foi um gigante de 1,73m. Tévez atuou como se nada o afetasse, como se a febre nunca tivesse existido. E ainda o fez durante 91 minutos, quando foi substituído com merecidos aplausos por Llorente.


Se o resultado final foi 3 a 1, imagina se Tévez estivesse 100%. Sorte do Milan.