Por que comparar Corinthians e Juventus não é loucura

A discussão dos últimos dois dias é que o Corinthians disputaria por igual alguns campeonatos europeus. Sobre o Italiano, por que não? Por que o Alvinegro não poderia bater de frente com a Juventus? Por que os torcedores bianconeros ou fãs do futebol europeu se incomodam tanto com a declaração do jornalista Fabio Sormani sobre uma participação (fantasiosa) do melhor time brasileiro no campeonato dominado pela mesma equipe há três anos?


Porque o Corinthians não pode ser tão bom quanto a Juventus, parece. Pois os clubes brasileiros, em campo, não podem se sobressair ante adversários do Velho Continente, pensam. Dane-se os prognósticos, cazzo. O Corinthians teria totais condições de bater de frente com a Juve.


Getty Images
Getty Images

Tévez, artilheiro máximo da Série A, recebe abraço do super-herói e santo


Não diria a mesma coisa se fosse o time de Mano Menezes, de 2014. Aquele tomaria nabo até mesmo de Roma ou Milan, o jovem decadente. A equipe brasileira de 2015, entretanto, é muito melhor e certamente disputaria o título na Itália. Ainda vejo o Corinthians como uma segunda força na Bota, pouco atrás da Signora e à frente de Napoli e Lazio.


Não é aberração alguma fazer uma comparação individual. Os juventinos vencem algumas disputas; corintianos, outras. Acredito que ninguém pensa que Cássio seja melhor que Buffon. Se pensa, está errado. Contudo, alguém consegue lembrar das fragilidades de Cássio ao chegar no Corinthians? Que qualquer lance com os pés era um Deus nos acuda? O goleiro teve uma evolução incrível em três anos. Posicionamento, concentração e agilidade. Buffon segue melhor, porém, não significa que Cássio não tenha uma qualidade absurda.


Chiellini e Gil são dois zagueiros de nível internacional. Se impõem como poucos à frente do goleiro - apesar que Chiello gosta mais de grama que o concorrente. Bonucci ou Barzagli, contudo, são melhores que Felipe, sobretudo o segundo. A qualidade do desarme de Barzagli é coisa de outro mundo. O zagueiro corintiano, porém, vence uma disputa pelo alto. Impulsão muito boa.


O Corinthians deve tão pouco nas laterais que Uendel e Fagner são melhores que Lichtsteiner e Evra. O francês finalmente se adaptou ao futebol italiano, mas não dá, né? Visivelmente longe da forma áurea no Manchester United. Taticamente, o suíço é sobrenatural, mas quantos cruzamentos necessita para acertar um? As subidas de Fagner são mais concisas e agudas, além de ter mais vitalidade.


A mescla dos ataques seria a opção a ser escolhida, com Tévez fazendo parceria a Guerrero. O meio de campo é o fator de desequilíbrio na conjuntura atual dos planteis. Embora a perda de Pirlo e Pogba não tenha sido sentida - a vitória colossal em Dortmund é prova disso -, as atuações dos meio-campistas corintianos têm sido ligeiramente superiores às juventinas.


Getty Images
Getty Images

Driblado


De certo, os posicionamentos são diferentes, pois Tite escala quatro atletas horizontalmente no meio. Jadson, Elias, Ralf e Renato Augusto ocupam setores distintos em comparação a Marchisio, Vidal e Pereyra. A Juventus não tem um ladrão de bolas como primeiro volante, contudo, compacta demais o setor para interceptar o passe adversário. O Corinthians não tem uma saída refinada como a de Marchisio, entretanto, Jadson e Renato Augusto têm inteligência de sobra para fazer a bola rodar de lateral a lateral.


Disseram que houve uma comparação entre Pogba e Elias, em que o corintiano saiu como vencedor da disputa. Mentira, pois nada foi falado sobre isso. De qualquer forma, o meio-campista brasileiro jogou no Atlético de Madrid. Com a palavra, Gustavo Magnusson, do blog Canto Colchonero



"A passagem dele pelo Atleti foi curta, mas dá pra dizer que foi uma decepção. Ele era mal escalado pelo técnico Gregorio Manzano. Elias jogava pela meia esquerda; queriam que ele fosse o armador do time e não deu liga. As primeiras impressões dele com o Atlético e do Atlético com ele não foram positivas. O clube não soube aproveitá-lo e a paciência da torcida, à época, estava curta. Entre Pogba e Elias, Pogbinha, pois é mais completo, habilidoso e com projeção internacional. Elias é excelente para consumo interno".



E tem mais: o Alvinegro tem até mais banco que a Signora. Você prefere que Danilo entre no segundo tempo ou Padoin? Malcom ou Pepe? A Juventus só teria vantagem, no meio de campo, caso Pirlo e Pogba não estivessem machucados. 


A única coisa que discordo completamente da análise exibida na Fox Sports é o rebaixamento da Juventus para enaltecer o Corinthians. Que o Timão entra para lutar pelo título do Italiano? Pode ser. Que o time que mais vai machucar o Corinthians é a Juve? Sim. Só que vai mesmo, ao contrário do que foi dito no programa. 


Quando deixamos a síndrome de vira-lata de lado, temos a obsessão em aumentar qualquer coisa para nosso proveito. Se a velha máxima que atacante vive de gol, Tévez é atacante. E tá fazendo o que foi contratado para fazer. Como assim a Juventus não tem atacante, caramba?


Aliás, existe a chance de tirar a prova sobre as forças de Juventus e Corinthians. O Mundial de Clubes está logo ali. Caso não dê, uma partida no PlayStation pode resolver.