Mandzukic será essencial para o futuro da Juventus

Os amistosos de pré-temporada pouco significam. Vitórias ou derrotas não deveriam importar neste tipo de partida. Os resultados da pré-época da Juventus não foram satisfatórios, por exemplo. No primeiro jogo oficial do ano, vitória maiúscula contra um adversário que cada vez mais permanece em jejum. Na estreia, o gol inicial foi exatamente daquele de quem mais espero na época. Até porque, em breve, deve se tornar o maior artilheiro do clube desde David Trezeguet.


Mandzukic completou 29 anos há três meses. Ao fim do contrato com a Juve, o croata terá 33, mesma idade do francês quando decidiu se aventurar no Hércules. A cabeçada indefensável para Marchetti no minuto 69, em Xangai, foi o primeiro de muitos do atacante. Para alguns, Mario não serve ao clube e é superestimado. Discordo: ele ainda não é, mas será essencial para o futuro do time.


Getty Images
Getty Images

A primeira vítima de Mandzukic foi a Lazio. Em duas semanas, a Udinese vai sofrer


Para começar, Mandzukic é o atacante mais velho de um elenco que ficou ainda mais jovem neste início de 2015-16. A presença do croata no elenco se torna vital para o desenvolvimento de Morata, Zaza e quiçá Buenacasa - quando tiver de completar time nos treinamentos. Para a dupla que já está no time principal, o croata deve ser um espelho para posicionamento, mobilidade, inteligência, visão e capacidade de finalização.


Mandzukic não é injustiçado. Todavia, também não acredito que os times conseguiram aproveitar tudo o que ele oferecia. Mais de um gol por partida em duas temporadas pelo Bayern de Munique e uma boa média em 43 partidas pelo Atlético de Madrid.


Na Juve, individualmente, Mario terá a chance de mostrar que é um dos melhores finalizadores da Europa. Pudera: o cara marcou e conquistou três Supercopas - Alemanha, Espanha e, no último fim de semana, Itália. O último jogador a vencer os mesmos torneios em regiões diferentes foi Shevchenko (Itália, Inglaterra e Ucrânia). A diferença é que Sheva só balançou a rede na Bota.


Se permanecer saudável, é muito difícil que ele não concretize a meta fantasiosa de se tornar o maior goleador da Juventus pós-Trezeguet. Tévez foi quem chegou mais perto dos 171 do francês, com 50; Vidal, que também já foi embora, fez 48; e Iaquinta, 40. 


(Del Piero saiu dois anos depois de David. Sim, é verdade. Mas me parece meio injusto colocar Mandzukic para disputar uma artilharia fictícia contra o maior artilheiro da história do clube. Pela qualidade de ambos? Mais ou menos. O tempo, neste caso, impossibilita equiparar).


Marcar gols na Serie A, aliás, não deve ser uma tarefa muito complicada. O ofício ele já sabe. O time, mesmo que ainda em formação, utiliza uma base e uma mentalidade que está ali há seis anos. É bastante tempo. A Juventus de 2015-16 mudou em campo, porém, segue como o melhor equipe da Itália com folga.