Uma piada de mau gosto chamada Bola de Ouro

Lembremos os 59 jogadores escolhidos na lista prévia. Atsu, Vargas, Medel, Luongo e até Pirlo. Nada de Buffon. O goleiro vice-campeão da Europa, que deteve Daniel Alves na final com uma defesa incrível, sequer foi mencionado. Entre os 23 jogadores que podem ser votados, divulgados nesta terça-feira pela Fifa, a ausência de Tevez é inexplicável.


Getty Images
Getty Images

Fifa omitiu o nome do melhor jogador do atual vice-campeão europeu


Podemos contar em uma mão quem jogou melhor que o Apache em 2014-15, sendo que o primeiro atleta que necessita ser mencionado é Messi. Em suma, Tevez foi o melhor jogador do segundo melhor time do continente. E isso teria de ser levado em consideração.


Os 29 gols na temporada, recorde individual em nove anos, contribuíram para a medalha de prata pela Uefa e o Campeonato Italiano irretocável. A artilharia da Serie A só não foi alcançada porque Massimiliano Allegri revezou o elenco antes da partida derradeira da competição continental.


No resto, Tevez esteve lá sempre. Marcou contra Milan e Lazio nos dois turnos, deu a vitória ante a Fiorentina no difícil confronto no returno da Serie A, destruiu o Borussia Dortmund, balançou a rede contra o Real Madrid e assistiu Morata no único gol bianconero na final em Berlim.


O Apache colocou a bola debaixo do braço como se fosse para dizer "aqui, eu mando", equipando a última Serie A aos torneios nacionais de 1986-87, engolido por Maradona, e 1991-92, de van Basten.


Getty Images
Getty Images

Marcelo foi apenas mais um que não conseguiu marcar o argentino em 2014-15


É vergonhoso a Fifa não honrar os títulos de equipe e individuais de Tevez e colocar, por exemplo, cinco jogadores do Real Madrid na lista final. Porque os merengues devem ter eliminado a Juventus na Liga dos Campeões. Porque Bale deve ter feito uma temporada ótima mesmo, sobretudo em nível internacional contra as excelentes seleções de Chipre e Andorra.


Ibrahimovic teve uma época desprezível e Robben estava em tratamento médico durante as partidas relevantes do Bayern de Munique. Yaya Touré e Cristiano Ronaldo foram decisões políticas e de marketing, respectivamente. Como acreditar que o prêmio da Fifa seja concedido pelo futebol se, há cinco anos, Milito também foi esquecido?


Antes de ser repaginado, o "Zorra Total" tinha mais graça que a Bola de Ouro. Lamentável.