Alisson fez bem ao preterir a Juventus pela Roma

Ao término do Campeonato Brasileiro, Alisson viajou à República Dominicana para descansar. Enquanto isso, as negociações com Juventus e Roma aconteciam entre representantes dos italianos e do Internacional. Diz o jornal “Zero Hora” que o goleiro escolheu um dos clubes depois de conversar com Taffarel, Juan e Dida. Ainda bem que ele deixou a Juve de lado.


Walter Sabatini, diretor giallorosso, afirmou na primeira quinzena de novembro que já buscava uma solução para o gol do clube da capital. Ficou acertado, de acordo com ele, que Alisson se apresenta em Roma somente após as Olimpíadas de 2016. A transferência no último ano de contrato com o Colorado foi acordada em 5 milhões de euros (quase R$ 22 milhões).


O goleiro de 23 anos foi um ótimo negócio para os giallorossi. E seria também para a Juventus, caso acontecesse a compra. Mas somente pelos motivos financeiros. A Roma pagou um pouco a mais que o valor de mercado de Alisson - 4,7 milhões de euros, segundo a base de dados Transfermarkt -, um atleta jovem, extremamente promissor e selecionável pela Seleção Brasileira.


Mais que isso, Alisson escolheu onde consegue atuar prontamente.


Getty Images
Getty Images

Em suma: Juventus seria um atraso na carreira de Alisson


Fosse para sair do Inter, ele afirmou mais de uma vez, seria para alguma vitrine da Europa. O reconhecimento maior seria pela Juventus, certamente, mas de que adiantaria esquentar banco de Buffon neste ponto de transição da carreira? A lenda do gol tem contrato até junho de 2017 e deve estender o período entre as balizas bianconeras por, pelo menos, mais um ano.


Para a Juve, faria sentido assinar com Alisson para utilizá-lo como moeda de troca. Para atuar, não. Não quando conseguiu capturar Neto de graça até 2019. A imprensa italiana ama vender atletas que estão no banco. Nem Neto, nem Rugani foram manchetes neste dezembro. Entretanto, ambos foram parte de matérias sobre a tristeza de ficar na confortável reserva da Arena. O goleiro, ao entrar na sala do diretor Giuseppe Marotta para preencher os documentos, sabia que seria suplente de Buffon.


Um tiro grotesco no pé, que acabaria com o moral do jogador de 26 anos que saiu de Florença há pouco menos de seis meses. Também seria um baque para Nicola Leali, com direitos ligados à Juventus por mais quatro anos. O jovem adulto do Frosinone ainda sonha em substituir o Superman…


ESPN.com.br | Diretor da Roma confirma chegada do goleiro Alisson por R$ 21,8 mi e após Rio 2016


Vejo a mudança de Alisson para a Itália de uma forma diferente em comparação a Rafael Cabral, Gabriel e o próprio Neto. O Napoli deve procurar o ex-Santos para fechar um novo contrato, mas essa não é a prioridade no clube. Nem deveria. Não que Reina seja tão superior a ele, porém, Rafael está aquém daquele vencedor da Libertadores de 2011.


Ele mostrou em Nápoles pouco do que sabe - a não ser pelas defesas nos pênaltis contra a Juventus, na Supercoppa. Temos de lembrar, no entanto, que após a lesão no joelho no ano passado, ele ainda bancou para Andújar. Gabriel procura se ajeitar no país desde que saiu do Cruzeiro. O período do Milan também era péssimo. O empréstimo seria natural mesmo que Amelia fosse o reserva de Abbiati. Com Donnarumma e Diego López, é difícil ver Gabriel vestindo a camisa rossonera novamente tão cedo.


O momento é o ideal para Alisson chamar a responsabilidade na Roma. A começar que ele não deve muito a Szczesny. O polonês tem o reflexo como principal fundamento. Caça as defesas absurdas do brasileiro contra o Tigres, no México, e ante a Chapecoense, no Beira-Rio. Os três goleiros do clube da capital têm contrato somente até junho de 2016. De Sanctis estará com 39 anos; Lobont, 38. A indefinição sobre a compra ou renovação do empréstimo do ex-Arsenal deve compreender a Szczesny e somente a ele.


A mensagem pode demorar um pouco para chegar em Punta Cana, contudo, digo: boa sorte, Alisson. Você fez a escolha mais inteligente ao preterir esse time aqui.