A vice Juventus: como eles perderam em 1997?

Borussia Dortmund 3 x 1 Juventus


Ao vencer o grande Ajax em 1995, Jürgen Kohler e Paulo Sousa comemoraram um título pela última vez com a camisa bianconera. A segunda coisa que fizeram foi pegar um avião rumo a Dortmund, imitando Júlio César, Stefan Reuter e Andreas Möller anos antes.


Não houve perda alguma sem os dois. Na fase de grupos, a Juventus fez seis apresentações impressionantes, somou 16 dos 18 pontos possíveis e sofreu apenas um gol. O domínio no Grupo C rendeu frutos ao Manchester United, que avançou de fase com três derrotas.


Encarar o Rosenborg nas quartas de final foi simples, enquanto a eliminatória seguinte reeditaria o duelo decisivo da Liga dos Campeões anterior. Sem Edgar Davids, Finidi George, Kanu e Patrick Kluivert, o Ajax foi presa fácil. A Juventus foi imponente na ida (2 a 1) e em casa, com exibição de gala de Zidane nos 4 a 1.


Getty Images
Getty Images

E a bola sobrou para Riedle, atrás de Porrini, Ferrara e Vieri...


Aproveitando mais um título nacional, nada seria melhor que manter a hegemonia europeia. A Europa toda credenciava a Juventus ao bicampeonato consecutivo devido aos acréscimos de Zinedine Zidane, Alen Boksic e Christian Vieri. Os adversários da final acreditavam que o grupo vestido com roupas pretas e brancas era uma espécie de All-Star Team, segundo Michael Zorc, reserva de meio-campo do Borussia naquela época.


Por outro lado, o duelo final aconteceria na Alemanha. Além disso, esta seria a chance do então bicampeão alemão conseguir a sonhada revanche da Copa da Uefa de 1993. Para frear a Juventus, o técnico Ottmar Hitzfeld contaria com o Bola de Ouro Matthias Sammer e com um intenso treinamento de bolas paradas - já que não confiava na saída de gol de Angelo Peruzzi.


O jogo pelo alto foi extremamente favorável à equipe da casa. Em cinco minutos, Karl-Heinz Riedle marcou duas vezes - Sergio Porrini e Ciro Ferrara mal conseguiram chegar a tempo em ambos os lances. O sistema com dois zagueiros e um líbero dos alemães foi uma das grandes forças do Borussia na Bundesliga, contudo, viu-se frágil contra a Juventus. Com Zidane perseguido por Paul Lambert, Angelo Di Livio e Vladimir Jugovic tiveram liberdade para criar. Os italianos não empataram no primeiro tempo porque Vieri, em velocidade, chutou para fora e o francês acertou a trave.


No segundo tempo, o técnico Marcello Lippi tirou Alessio Tacchinardi e colocou Alessandor Del Piero. O jogo já estava perdido, pois. Que se arrisque. Stefan Klos defendeu a finalização de Jugovic e Vieri parou no travessão antes de Del Piero, de letra, completar o cruzamento após jogada bonita de Boksic. A Juventus voltou ao jogo em apenas 20 segundos depois de roubar a bola no campo de defesa.


Dortmund 1996-97 vs Juventus 1996-97 - Uefa Champions League - Football tactics and formations


Hitzfeld chamou Riedle e substituiu o atacante por Heiko Herrlich. Ele deixou Stéphane Chapuisat de sobreaviso para outra eventual mudança. Enquanto isso, a Velha Senhora continuava pressionando em busca do gol de empate.


Quando o auxiliar indicou a alteração, os torcedores viram Chapuisat dar lugar a Lars Ricken. A instrução de Hitzfeld era clara: “entra lá e faça o gol”. O meio-campista deu alguns passos em campo, em direção ao centro do gramado. Ao mesmo tempo, Möller recuperou a bola e avançou em velocidade para o contra-ataque.


Di Livio tentou fechar a saída do alemão juntamente com Ferrara. Didier Deschamps ficou perdido no lance e nem reparou que Ricken tinha liberdade para correr, já que Mark Iuliano estava longe dele. O atleta do Borussia recebeu o lindo passe em profundidade e encobriu Peruzzi de fora da área. Um golaço para acabar com qualquer chance de reação da equipe que destroçou o Borussia na Copa da Uefa de 1993.



“Eu passei 70 minutos vendo o jogo a partir do banco de reservas. Notei que Peruzzi frequentemente ficava fora do gol. Entrei em campo com aquilo na cabeça, pensando ‘Peruzzi está muito longe do gol, Peruzzi está muito longe do gol” (Lars Ricken, em entrevista ao site da Uefa, em 2013)




_
Leia mais:


A vice Juventus: em 1983, a derrota antes do título