Adeus, Judas: o triste fim da Magia em Anfield

Enfim, acabou a novela. E Philippe Coutinho está nos deixando da pior forma possível. Pela porta dos fundos, sob vais e chuva de tomates podres.


Fez as malas e saiu. Simples assim. Sem sentimentos. Sem agradecimentos sinceros. Sem um pingo de remorso.


Quando estava comendo banco na Inter de Milão, foi emprestado ao pequeno Espanyol da Catalunha. Em 2013, sem destaque lá também, o Liverpool viu nele um futuro potencial. Como um pai, o clube Vermelho apostou e investiu no moleque mirrado de cabelo encaracolado.


Por méritos dele também, a aposta se viu válida. Ano após ano, Coutinho crescia. Se tornou o maior goleador de longa distância. Nos encheu de alegrias muitas vezes. Tirou 3 pontos da sua cartola mágica outras tantas. Virou o nosso carro-chefe. "Aquele time do Coutinho..."


Absolutamente amado e idolatrado pela fanática torcida do Liverpool. A 10 vermelha se tornou uma das camisas mais vendidas da Europa. Chegou a seleção brasileira através de sua magia no Anfield. Chegou ao topo do mundo com o manto vermelho sagrado.


Getty Images
Getty Images

Cou: Chegou sem magia em Liverpool. Saiu um top 5...


E aí, a mulher mais rica e poderosa da balada pisca para ele. E ele larga, covardemente, aquela que chorou e sorriu com ele durante 5 anos. Agora que o time finalmente parece entrar nos eixos. Ele pega sua mala e vai.


Claro que agradeço tudo que ele fez para nós. Provavelmente, devo ser um dos primeiros a chamá-lo carinhosamente de "SHOWtinho" nas redes sociais. Também acho que, como profissional, temos de ver o que é melhor para nós. Mas ele fez tudo errado e cuspiu no prato que o alimentou por 5 anos. Veja, Suárez também foi seduzido pelo Barceloser. Mas ainda é rei amado em Liverpool. Porque saiu pela porta da frente.


A maneira patética com que Phil deu adeus ontem apaga sua história linda com a nossa 10.


Aliás, você ainda não se despediu, Cou.


Sei que isso não tem importância alguma. Mas, de agora em diante, seu nome será Judas.


E eu nem preciso falar que o Liverpool é imensamente maior que você.


Ah, só mais uma coisa: quando cortar para a direita, nem pense em chutar pro gol. TEM que passar a bola pro nanico dono do time. Ou será fritado...


De Ídolo a coadjuvante.


Adeus, Judas.