Trouble in paradise: o City vive sua pior semana na temporada

Mais cedo ou mais tarde, o City vai ser campeão da Premier League 2017/18. Quando acontecer, é evidente que haverá festa, celebração pela grande temporada feita pelo time até aqui.


Só tem um problema: era pra ter sido hoje.


ESPN.com.br | Pogba faz dois, United consegue virada heroica sobre City e impede título com recorde de antecedência do rival


O roteiro do campeonato se desenhou cuidadosamente para que o City fosse alçado à glória definitiva no campeonato jogando contra o rival, em casa, no meio de uma semana onde se esperava uma grande atuação também contra o Liverpool, em Anfield.


Tivessem as coisas saído da maneira que esperávamos, tinha tudo pra ser a melhor semana do ano para time e torcida.


Lego engano. Vivemos a pior semana do ano.


Neste sábado, as coisas pareciam tomar seu rumo natural quando o City abriu 2 a 0 no marcador. O time jogava como queria e chegava à meta de De Gea no tempo que lhe era conveniente.


Eis algo: o Manchester United passa longe de ser um time que joga um futebol vibrante, ofensivo, de encher os olhos. As atuações que fazem doer a vista são mais comuns do que as que aquelas dignas de aplausos. Mas há outra coisa que precisa ser lembrada: ainda é o Manchester United. Se você tem a chance de matá-lo, mate-o.


O City perdeu um verdadeiro caminhão de gols no primeiro tempo, com as chances perdidas por Sterling as que mais saltam aos olhos. O jogo era tranquilo de tal maneira que até gritos de olé eram ensaiados pela torcida antes dos 40 minutos do primeiro tempo.


O que poderia ter dado errado, não é mesmo?


Nunca saberemos o teor da conversa de Mourinho com seus jogadores no intervalo. Se a atmosfera do dia e os gritos de olé serviram como combustível para os visitantes é possível apenas especular.


De qualquer forma, no segundo tempo o jogo foi outro. E a exemplo do que já havia acontecido contra o Liverpool, o City apagou de tal maneira que não só permitiu ao United empatar em pouquíssimo tempo, o que já era ruim o bastante, mas ainda foi capaz de tomar a virada.


É difícil saber precisar o que acontece por esses dias, mas parece bastante claro que o emocional do time está em frangalhos. No segundo tempo, era como se o City tivesse onze Thiago Silvas em campo.



Curta o Manchester Connection no Facebook



Vencer hoje era a chance de escrever uma das mais belas páginas da história do clube, do clássico e do campeonato inglês. A história até foi escrita, mas com caneta vermelha e com um final nada lisonjeiro para o City no dia de hoje.


Aliás, hoje não é um daqueles dias onde se aponta um ou outro culpado. Todo mundo deve ser responsabilizado pelo fiasco que se viu hoje no Etihad. Desde Pep, que pareceu não perceber a importância do jogo ao descansar jogadores vitais como De Bruyne, Agüero e Jesus, passando pelos próprios jogadores, que desabaram mentalmente de forma vergonhosa pela segunda vez em uma semana.


Getty
Getty

Com a cabeça no Liverpool, Pep pareceu subestimar a importância do jogo de hoje


Mais cedo ou mais tarde, o City vai ser campeão da Premier League 2017/18. Quando acontecer, é evidente que haverá festa, celebração pela grande temporada feita pelo time até aqui.


Só tem um problema: era pra ter sido hoje.


Siga @javierfreitas