Garotos do City estreiam com derrota na pré-temporada

A pré-temporada do City começou com derrota para o Borussia Dortmund em Chicago. Ainda desfalcado por quase todas suas estrelas graças a Copa do Mundo, Guardiola teve à disposição, basicamente, Claudio Bravo, Riyad Mahrez e Leroy Sané, juntamente de vários atletas das categorias de base.


Não é de hoje que quando Pep Guardiola manda a campo um time bem enfraquecido, essa equipe apresenta os mesmos problemas. É nesses momentos que percebemos mais do que nunca a veracidade de uma frase frequentemente falada pelo treinador: “para jogar desse jeito, preciso de grandes jogadores. É tudo sobre eles”. Com menos qualidade e intuição, mesmo em um sistema com movimentos mecanizados, os jogadores precisam de um esforço muito grande para circular a bola e o resultado são pouquíssimas finalizações e infiltrações.


City ainda entrou em campo apenas com Douglas Luiz como um jogador acostumado a trabalhar a bola desde uma posição recuada. Phil Foden é um meia de criação e Brahim Diaz é praticamente um atacante, e ambos formaram a dupla de interiores do 4-3-3. Isso significou pouca aproximação para troca de passes, dando ainda mais peso aos jogadores da linha defensiva.


Falando em linha defensiva, Eric Garcia agradou. Zagueiro de apenas 18 anos que pertencia ao Barcelona mostrou postura com e sem bola. City segue ainda sendo um clube onde os jogadores jovens dificilmente ganharão chances, mas Eric parece ser um sério projeto de defensor.


No meio-campo, hora de falar de Douglas Luiz. Após uma temporada de poucas oportunidades no Girona, o ex-vascaíno passa um tempo sob a observação de Guardiola antes de definir o seu futuro. Nessa partida, Douglas apresentou forte capacidade de marcação e jogo físico. Porém, na saída de bola, não ofereceu tanto até pelas dificuldades do time como um todo citadas acima. É preciso aguardar e ver a evolução dele e da equipe nos próximos amistosos. Com a derrota na saga Jorginho, se abriu uma vaga no elenco para um volante e com otimismo e trabalho, poderia ser Douglas.


Getty
Getty

Guardiola sempre guiando os garotos


No ataque, estreia de Riyad Mahrez. Dentro de um sistema um pouco estático, Mahrez se viu encaixotado durante boa parte da partida, tanto que durante os minutos finais da primeira etapa foi para o meio-campo, com Brahim Diaz ocupando a ponta-direita. Com o tempo, foi se sentindo mais à vontade e foi o atleta mais agressivo do City, sofrendo muitas faltas. O X da questão no caso Mahrez é o quanto de liberdade ele terá dentro do sistema, como já discutimos no texto após sua apresentação. Outra grata surpresa foi Jack Harrison, atacante de 21 anos que foi a first pick do New York City no draft da MLS de 2016. Mostrou boa capacidade de drible e mudava o ritmo dos ataques.


O nome de Joe Hart também precisa ser mencionado. Pode ter caído de nível bruscamente, mas sempre será um de nós. E fez uma boa defesa e algumas outras intervenções na partida. Independentemente de seu futuro, estaremos torcendo.


Siga @igorjuni0
Siga @ManCityStuffBR