Phil Foden: a canhota mágica criada em casa

Nesse mês de setembro, completa-se 10 anos de um evento que mudaria para sempre a história do Manchester City. O clube chegava nas mãos de Sheik Mansour e a partir dali se tornaria uma potência mundial dentro do campo e no mundo dos negócios. Mas se engana quem pensa que aquilo foi a única coisa super relevante que aconteceu para o clube e que transformaria seu futuro em 2008...


Stockport, cidade da Grande Manchester, 2008. Jogando nos campos do subúrbio dessa cidade que hoje é um dos centros do futebol mundial pelo time local chamado Reddish Vulcans, um pequeno garoto com o nome de Phil Foden começava a chamar a atenção logo aos oito anos de idade. O City, que sempre tentou manter suas fortes ligações com a população local, tem observadores por toda a região metropolitana de Manchester, até que um dos olheiros descobriu essa criança inglesa com uma canhota recheada de habilidade.


The Kassam Stadium, Oxford, 2018. City vence o time local por 3 a 0 e um garoto de 18 anos recém completados é o grande destaque da partida, participando do primeiro gol com um belo lançamento, dando a assistência para o segundo e marcando o terceiro. Phil Foden deu início de forma definitiva hoje a uma trajetória que tem tudo para ser grande, para o City e para o jogador.


Getty
Getty

Pablo Zabaleta, Vincent Kompany... Phil Foden?


Raheem Sterling passa a bola e Phil Foden chega batendo, de primeira, cruzado. Gol. Cruza o campo em direção a torcida do City, beija o escudo, desliza os joelhos. Vibra forte. Beija o escudo novamente. Foden não é só um jogador que o City recrutou enquanto jovem: ele é um torcedor do clube desde criança, que viu a mudança de patamar nos últimos 10 anos de dentro da academia e agora foi capaz de realizar um sonho – marcar por essa equipe.


Cara, ele nasceu em 28 de maio de 2000. Sabe o tamanho disso? Ele ainda tem anos para se desenvolver, sem precisar se destacar tanto e ainda seria aceitável. Mas não: mesmo com seus defeitos, até por ainda ser desprovido de um porte físico mais competitivo, personalidade é o que não falta para Foden, que tem em seu pé esquerdo uma quantidade de talento de causar inveja a qualquer um.


Seu controle de bola lembra os outros meias canhotos do elenco – David Silva e Bernardo Silva -, podendo Foden desenvolver ainda mais a capacidade de controlar a bola próximo ao pé, já orientando o corpo para as ações seguintes. O seu lançamento para Brahim Diaz no primeiro gol e o passe em velocidade para Mahrez no segundo mostra como além da condução de bola, também é dotado de uma baita visão de jogo.


O caminho ainda é longo e os minutos podem ser poucos pela concorrência pesada, mas Phil Foden está fazendo tudo de um jeito bem correto para alcançar o sucesso. Nada de empréstimos ou coisas do tipo – Foden é um mancunian e deve prosperar em sua casa, no City.