Sánchez, Özil, Lucas Moura: as oportunidades para o futuro do United

Assim como ninguém nega o baque sofrido após a aposentadoria de Sir Alex Ferguson, é indiscutível o status do United como um clube de elite. E, com todas as coisas sob perspectiva, José Mourinho nos colocou novamente nos trilhos próximos do sucesso. Esse que virá com um trabalho baseado em lógica e tática, é claro, mas com certeza passa pela (re) construção do elenco. No último post falei sobre como o problema com os meias ofensivos pode se tornar crônico se continuarmos dando chance ao azar. Não há mais espaço para jogadores que "talvez deem certo".


ESPN.com.br | United surpreende, tenta 'chapéu' no City e faz proposta por Alexis Sánchez


Tendo essa necessidade em vista, nesta quinta-feira surgiu a notícia de que o United teria feito uma proposta para Sánchez, do Arsenal. O lado principal da moeda, como vocês sabem, é outro: o Manchester City tenta sua contratação desde a temporada passada e o próprio atleta tem grande interesse. O rival joga melhor, tem um treinador que cativa praticamente todos os seus alvos e representa a maior chance de título. Nossa cartada, portanto, aponta para o aspecto financeiro e as vontades dos gunners.


Getty Images
Getty Images

Existem dois lados nessa possível contratação: ninguém pode negar um talento como Sánchez, mas a contextualização é estranha


Oferecendo um salário maior, conforme reportado pelo Guardian, podemos fazê-lo pelo menos balançar um pouco. E, dando £25 milhões + um reforço na transação, Wenger pode se sentir atraído. Mesmo que essa moeda de troca seja Mkhitaryan, pelo menos o francês teria alguém para começar sua reestruturação do plantel. Essa que deve acontecer a qualquer momento, levando em conta a situação de outra estrela: Özil. Não vou detalhar novamente o cenário, pois já foram dois textos nas últimas semanas: aqui e aqui. Foco no panorama como todo, portanto, para entendermos o que se passa em Old Trafford.


Enquanto Martial e Rashford são dois talentos enormes na ponta esquerda, o centro e a direita (que são ocupados dependendo da formação escolhida por Mou) são marcados pela inconsistência. Ok, Lingard tapou esse buraco de certa forma e está na frente dos companheiros. O que, verdade seja dita, não é muito difícil; Mkhi e Mata não são confiáveis para a titularidade e a escassez de qualidade por ali é visível. Um lado está bem representado, o outro não. E aqui entra a relação do clube com as oportunidades nas janelas de transferência.


Getty Images
Getty Images

Temos duas certezas para o ataque e ambos jogam nas posições que Alexis poderia ocupar


Vejamos alguns nomes que trocaram de casa recentemente; Bernardo Silva, James Rodriguez (empréstimo de 2 anos! ao Bayern), Salah… não teve proposta para nenhum. O egípcio não saltava aos olhos do torcedor e pode ser excluído, mas mesmo assim veio a representar um acerto do Liverpool. Sobrou alguém de alto nível? Com certeza. Mahrez, Malcom, Ozil. Todos prontos para serem negociados e que cairiam bem em Manchester. O primeiro foi o melhor jogador da Premier League em 15/16, faz uma campanha brilhante pelo Leicester e soma atuações com números expressivos.


Pauta do blog, o brasileiro é o menos desenvolvido desse grupo, mas também o que mais evoluiu recentemente. Seu jogo no Bordeaux está cada vez mais expansivo e ele já faz tudo com eficiência superior à de um conterrâneo que foi especulado aqui. Lucas Moura é, no máximo, um bom jogador com potencial relativamente limitado; 25 anos, 79 minutos jogados em 17/18 e monitorado por equipes brasileiras. Precisamos nos rebaixar a esse nível? Se não existissem possibilidades, entenderia a investida. Como tento mostrar agora, porém, o caso é distinto e a compra de um 4º reserva do PSG não me anima em nada.



Curta o Old Trafford Brasil no Facebook



Mesut, por sua vez, é figurinha provada na Inglaterra e pra mim o sinônimo de qualificado. A mídia ainda tenta pintar a narrativa de que ele se esconde nas partidas, mas pergunte a qualquer torcedor do Arsenal e você terá a resposta confiável. Momentos de queda todo mundo tem e o alemão já deixou pra trás essas marcas que o perseguiram injustamente. Em um conjunto cheio de falhas, é o coração dos lances criativos e aumentou consideravelmente sua performance defensiva. Se disciplinou após sua utilização como meia central e está, no gramado e no campo das transações, a alguns metros de Alexis.


Getty Images
Getty Images

Do outro lado, as lacunas estão mais do que abertas e as possibilidades estão na cara do clube. A inércia incomoda


Fazendo mais sentido e, ao contrário do chileno, provavelmente pensando em uma vinda para o United há algum tempo. MÖ pode ser um parceiro para Matic e Pogba, um '10' para ativar as corridas de Lukaku ou vindo da ponta direita para armar. Ou seja… preenche três necessidades claras. Sánchez não, por maior o impacto que poderia causar; certamente não sou contra sua aquisição, mas acho difícil e parece uma inversão de prioridades da nossa parte. Que acertem as pontas, literalmente, lá no norte de Londres.


*Deixando claro, a tentativa por Alexis é totalmente válida e creio que todos o receberiam de braços abertos. Garantia de produtividade + talento por um valor baixo não se recusa e eu estaria sendo raso se não reconhecesse isso como uma das 'oportunidades' que citei. Se conseguirmos, comemoro a captura de um craque. O ponto é refletir sobre a esquisita atuação do clube dentro do mercado.