West Ham 3-1 United: um cenário insustentável para Mourinho

Sem condições. O processo de degradação completa na terceira temporada vem mais uma vez acontecendo com Mourinho, resultando em uma bagunça em todos os sentidos. Não há intensidade, lógica, padrão e qualquer coisa que times vencedores ou em evolução têm. O único ponto consistente é a mediocridade. E as polêmicas. A derrota para o West Ham é mais um marco negativo - por vir junto de uma sequência desastrosa e com uma atuação digna do mesmo adjetivo - e a demissão parece estar se aproximando.


ESPN.com.br | Felipe Anderson faz golaço, West Ham domina e afunda Manchester United na crise


Hoje igualamos o pior início - em 7 rodadas - do clube desde a criação da Premier League, em 92. O último compromisso pelo campeonato havia sido um empate dentro de casa com o Wolverhampton, recém-promovido da segunda divisão. Na quarta-feira, em um confronto que poderia dar confiança para alguns atletas, eliminação da Copa da Liga pelo Derby County. Também dentro de casa. Para um adversário que atualmente está na Championship.



Os 10 pontos de 21 possíveis igualam o número de ninguém menos que David Moyes, em 13/14 (ele enfrentou Chelsea, Liverpool e City). Terminamos aquela campanha em 7º, fora das competições europeias e atrás até do Everton - que tinha 'perdido' o treinador escocês. O paralelo que dá pra traçar com Van Gaal tem a ver com o desânimo em acompanhar essa equipe semana após semana esbarrando nas próprias limitações. Acordar para assistir aos jogos no momento passa a sensação de obrigação, não de lazer ou entretenimento.


Uma tentativa falha de se animar aqui e ali, alguns lances empolgantes motivados pela qualidade individual e… só. No geral, nos colocamos na frente da televisão já prevendo a forma que a irritação virá. Fosse com situações isoladas e influenciadas até por azar, tudo bem. Só que é com o desenho inteiro do conjunto, da defesa ao ataque e passando pelo banco de reservas. Onde duas contratações de José não estavam por opção técnica, simbolizando as falhas em sua montagem de elenco.


E onde foi parar Pogba aos 70’ depois da uma performance pífia, mas que novamente vai se transformar em manchete com repercussão tóxica para o ambiente interno. Qualquer chance das declarações do francês terem sido em razão de egoísmo e busca inconsciente pelo protagonismo caem por água abaixo quando o plantel reage no gramado como vimos neste sábado. A motivação para muitos já se foi faz tempo e as palavras do ex-capitão temporário só refletiram o consenso do vestiário.


Getty Images
Getty Images

Pogba fez um jogo fraco e Mourinho resolveu tirá-lo com justiça, mas deixando o clima ainda mais esquisito


Se a faixa não estará mais em seu braço enquanto o português permanecer no cargo, é uma figura de tamanho e personalidade suficiente para ser o porta-voz do grupo. Estará no centro das atenções quando a inevitável saída de Mou acontecer, seja pelas frases fortes ou exibições fracas como a de hoje. Mas o dedo tem que ser apontado para o (ir)responsável por rotineiramente mandar à campo um time dotado de menos artifícios que a maioria dos oponentes.


Virou comum nos depararmos com clubes que, contra o United - instigados pela nossa falta de confiança -, jogam um futebol mais produtivo e demonstrando níveis superiores de preparação. Isso nunca será aceitável para uma agremiação desse porte, gigantesca por si e amparada por cofres vastos, estrutura de primeiro mundo, apoio da torcida no estádio e uma história que, se bem cultivada, teria pelo menos um pequeno peso.



Curta o Old Trafford Brasil no Facebook



Levamos 3 gols em 3 partidas diferentes em 18/19 e, no total, já são 12; 14 a menos que o record da temporada passada, com 31 rodadas pela frente. Se o Liverpool vencer o Chelsea ficaremos a 11 pontos do líder em setembro, antes mesmo da campanha completar dois meses. É algo que nunca aconteceu em toda a era Premier League e, se confirmando ou não, se junta ao extenso portfólio de fracassos de José Mourinho em Manchester. É uma frase que não deveria fazer sentido para um treinador histórico, mas faz; apenas o fato de ninguém se surpreender diz tudo.


Getty Images
Getty Images

Ele está perdido e o United segue o mesmo "caminho"


O nível caiu, os parâmetros caíram e o United vai caindo junto.


*É difícil até falar sobre a dupla de zaga McTominay-Smalling no segundo tempo. Conseguiu ser a pior parte.