United 0-0 Valencia: não existem motivos para continuar com Mou

Você precisa dos 3 pontos e seu adversário venceu apenas uma vez na temporada, ocupando a 14ª posição do campeonato espanhol. O jogo é dentro de casa e vem na sequência de uma atuação desastrosa e desnecessariamente negativa contra um rival também de nível menor. O que fazer? Pra começo de conversa, colocar em campo uma dupla de meias/volantes marcadores e de pouco poder criativo não parece ser o caminho correto.


ESPN.com.br | Manchester United empata em casa com o Valencia pela Champions e amplia sua crise


Não é preciso ser nenhum analista tático para imaginar os problemas que surgiriam no decorrer da partida. Matic e Fellaini praticamente não contribuíram com o desenvolvimento das jogadas - o sérvio um pouco mais, naturalmente - e colocaram peso, não condições, nas costas das peças ofensivas. E eles são apenas parte de uma reação em cadeia que vem desde a incapacidade da zaga em fazer uma saída qualificada.


Getty Images
Getty Images

Completamente sem sentido


Aspecto dificultado pela falta de repertório dos atletas, treinamentos que aparentemente não trabalham nisso e uma interrogação constante sobre a titularidade. Mais de 2 anos se passaram e ainda não sabemos a dupla de zagueiros; hoje foi a 6ª diferente em dez compromissos. Como criar o mínimo entrosamento e dar confiança para os jogadores? É apenas uma parte do cenário preocupante que vivemos e, mesmo dentro dela, a frase 'bagunça em todos os sentidos' faz sentido.


São falhas no macro, micro e 'micro-micro' funcionamento do clube e seu desempenho esportivo. Cada elemento que escolhermos para destacar vai trazer uma série de detalhes questionáveis, salvando apenas algumas exceções capazes de serem contadas nos dedos de uma mão. Sobre essa escalação, por exemplo, vale ressaltar que os contratempos no gramado trazem repercussão para fora dele. Fred visivelmente seria uma opção mais lúcida para fazer essa transição entre os setores, mas novamente ficou no banco.



Curta o Old Trafford Brasil no Facebook



É uma contratação de Mourinho e, por mais que a situação pro brasileiro não seja lá tão preocupante por ainda estar se adaptando, nos lembra da relação do treinador com suas aquisições. Compra, não coloca pra jogar, escala esporadicamente, reclama na mídia e cria um ambiente tóxico para evolução dos próprios profissionais. Outro que poderia muito bem trazer valor para a equipe nesta terça-feira nem reserva foi. Andreas assistiu à mais uma partida nas tribunas e já deve estar com muitas incógnitas na cabeça.


Getty Images
Getty Images

Enquanto isso, Andreas e Fred nem ao campo foram


O garoto novamente não foi relacionado e fico me perguntando sobre quando José pretende usá-lo. Não foi (e não será mais) na Copa da Liga, não está sendo na Premier League contra oponentes frágeis e nem na Champions League. Não que deva ser titular, mas ao menos entrar em uma justa rotação nesse time tão inconsistente. No entanto, fica atrás de McTominay na hierarquia que só pode ser baseada em critérios de altura e potência física.


É fundamental lembrar que Mourinho demonstrou descontentamento quando Pereira pediu pra ser emprestado em 17/18. O português queria que ele ficasse para brigar por um espaço, mas o meia precisava de minutos e já havia evoluído bastante no ano anterior pelo Granada. Agora que o tem a disposição, simplesmente não usa. É só uma das maneiras do comandante perder a confiança de seus comandados, como acompanhamos desde 2016. Quando os atletas de certa forma se revoltam com essa gestão de elenco desastrosa, são culpados.


Getty Images
Getty Images

Precisamos urgentemente de outro rapaz nesse lugar


Lembrando que o United enfrentou o Valencia em dois sentidos hoje. A equipe só não nos puniu como merecíamos por tomadas de decisão precipitadas lá na frente, enquanto o jogador só não foi mais improdutivo porque não consegue. Dalot, enquanto isso, nem no banco ficou; a cadeira foi ocupada por Darmian, que teria tanto valor quanto Gary Neville saindo do camarote para testar suas velhas habilidades como lateral. A crise continua e é possível que nem seja preciso uma gota d'água para a demissão: não importa o momento ou a razão final, isso tem que acontecer.