Milão é preta, vermelha e usa a camisa 63

Respire. Apenas respire. Agora alcance. Era possível sentir o peso sob os ombros do time rossonero que foi a campo contra a Internazionale em partida válida pela Coppa Italia, repleto de histórias de fracassos, erros e expectativas não alcançadas. A tensão era tão palpável quanto àquela entre Skywalker e sua tristeza. Contudo, boas histórias normalmente começam assim, com problemas que parecem incontornáveis e X-Wing que parece ser impossível de ser levitada do pântano - ou fundo do oceano - e terminam com um útimo suspiro de alívio vindo de um predestinado, que nos dá tudo que precisamos para recomeçar a rebeldia de ser torcedor milanista.


Lógico que Gattuso novamente cometeu erros, como a escalação de Kalinic no ataque, Biglia na regência e Locatelli na mez'alla, todavia pela primeira vez foi possível perceber sinais, apesar de sutis, de que a concentração forçada fez algum efeito. As boas e rápidas trocas de passe entre Suso e Kessiè na ponta direita e Bonaventura-Rodriguez na ponta esquerda, enquanto Bonucci e Romagnoli tiveram partidas quase impecáveis, com um errinho ou outro do atual capitão do time. E, claro, o gol da vitória vindo dos pés de Patrick Cutrone após lindíssimo passe de Suso.



A notinha feliz fica pela atuação segura de Antonio Donnarumma em sua primeira partida oficial na Itáia desde 2013. Sem muita firula, socando para longe as bolas alçadas em sua área, chutando para longe as bolas recuadas para ele por seus companheiros e com AQUELA sorte que todo goleiro precisa, Tonho Donna-Lua já honestamente me convenceu que seu irmão -além de ter inventado, na minha opinião, uma lesão para fugir da pressão - pode sim ficar no banco de reservas por algumas partidas nessa temporada.


Como o prório treinador falou na coletiva após a partida, essa vitória e a classificação para enfrentar a Lazio na semifinal da Coppa Italia, torneio que agora virou prioridade, não resolve todos os problemas do time, que ainda insiste em ligação direta e tende a sempre jogar pela direita, mas dá uma boa aliviada na pressão interna e externa nos jogadores e no próprio seu Gennaro. Ainda mais agora que o Presidente Li Yonghong colocou as caras tanto em Milanello quanto no estádio para apoiar seu time.


Getty Images
Getty Images

CUTRONE MIO!!!


Quanto a Internazionale, fico feliz por estamos agora dividindo uma crise que parecia não entender que o muro entre o lado claro e o lado escuro estava ali pertinho, e bem baixinho.


Avanti, com o garoto Cutrone no comando do ataque, Antonio no gol, e assim o Milan Primavera revela as faíscas que acenderão as chamas que acabarão com essa má fase. Bem, pelo menos assim eu espero.


- Curtinhas - 


As partidas contra a Lazio serão disputadas nos dias 30 de Janeiro no San Siro e 28 de Fevereiro no Olímpico de Roma.


Por mim, colocava o Kalinic no primeiro Frecciarossa para Florença QUE EU PAGO A PASSAGEM E LEVO NA ESTAÇÃO.