Milan: a matemática para conseguir a vaga na Liga Europa

Derrota para o Benenvento em San Siro com gol aos 95 minutos de partida eu aturo, vitória cínica e com uma chuva de oportunidades perdidas pelos atacantes para dar tranquilidade ao invés de termos um final de jogo tenso até consigo suportar, agora o que o Milan não pode de jeito algum é repetir os resultados do primeiro turno nessas três últimas rodadas decisivas e depender dos critérios de desempates.


Daqui até o final o Diavolo tem ainda Verona, Atalanta e Fiorentina para ou carimbar o passaporte para a Liga Europa da próxima temporada no sétimo lugar da tabela - onde se encontra hoje - ou jogar todas as fichas contra a Juventus e seus 12 homens em campo. Não me venham com essa de que é reclamação infudada que todo mundo viu as desventuras em série de Danielle Orsato na última rodada no San Siro.


Uma rápida lembrança. No primeiro turno, ainda sob o comando de Montella - demitido duas vezes na mesma temporada, agora pelo Sevilla - o Milan levou uma sapatada do Verona - 3 a 0 para i mastini - perdeu para a Atalanta - 2 a 0 para i azzurri - e empatou em 1 a 1 com a Fiorentina. Ou seja, em 9 pontos disputados, apenas 1 foi conquistado. Agora, se compararmos com o desempenho de Atalanta, Fiorentina (ambas conquistaram 4 pontos) e Sampdoria (que consquistou 3 pontos), adversários diretos na disputa da vaga para a Liga Europa, a situação fica mais preocupante.


Getty Images
Getty Images

- Devagar que eu me perdi nessa p*rra


Atualmente o Milan tem 57 pontos, 1 a menos que a Atalanta e 3 a menos que Fiorentina e Sampdoria. Caso haja um reflexo dos resultados do primeiro turno, e vimos que isso é possível nas duas últimas partidas, o time de Bérgamo terminaria o campeonato com 62 pontos, tranquilamente classificada para a fase preliminar do torneio continental, enquanto o Diavolo ficaria empatado com a Fiorentina, ambos somando 58 pontos. Com o empate nos critérios de desempate de confronto direto e saldo de gols no confronto direto, passaríamos ao terceiro critério, qual seja, o saldo de gols no campeonato. Daí temos um problema enorme para o time de Gattuso.


A deficiência no ataque rossonero é conhecida por todos. Os três atacantes de área a disposição do técnico calabrês - Cutrone, André Silva e KaliNÃO - com seus gols somados na Serie A não chegam sequer entre os 5 artilheiros da competição - 14 gols juntos contra 17 de Mertens sozinho - e mesmo se somarmos os gols de Bonaventura - mais 7 tentos - não temos a quantidade necessária para ultrapassar Paulo Dybala com seus mesmos 21 gols. Atualmente, o saldo do Milan é de 7 gols positivos, enquanto a Fiorentina tem 12 gols positivos (50 marcados e 38 sofridos).


Getty Images
Getty Images

- Ouvi dizer que você precisa de gols


Resumindo toda essa matemática bizarra: o Milan depende de todo seu time para conseguir os resultados necessários de uma vez por todas na tabela ou é derrubado pela sua incompetência ofensiva e morre na praia outra vez.