Milan é derrotado pela Juventus por erros individuais e inexperiência

Não vou mentir, após o jogo sequer pensei em chegar perto de qualquer aparelho eletrônico que pudesse ser jogado em alguma porta, janela, parede ou na minha própria cabeça. Não é que a derrota não fosse esperada ou mesmo o cenário de uma goleada não tivesse passado pela mente doentia de um torcedor que, como dito antes, segue seu time com fé cega e pé atrás. A raiva toda passa pelo discernimento da maneira correta de se cobrar esse time sem ser injusto por tudo que foi feito.


A princípio a reação de muitos é mandar todo mundo embora pois quem entrou em campo não sabe o que é ser (complete aqui com o seu time) e não honram essa camisa, esse (complete aqui com a imbecilidade de chamar o uniforme do seu time de manto sagrado, por exemplo). Contudo, o melhor é engolir a dor, guardar um pouco essa bílis e olhar para o macro.


Foi uma noite bastante confusa em Roma. Ao final do primeiro tempo tinha a certeza de que o empate era possível, e no final da partida venceria quem tinha mais perna ou sorte. Claro, o Milan atacou e perdeu boas chances, cutucou uma velha senhora muito mais forte e aguentou com honra a pressão, como havia acontecido na partida anterior pela Serie A. Todavia, a segunda etapa veio e com ela vieram os erros individuais que acontecem sempre e, dependendo de quem seja, são decisivos.



Entendam, falhas foram cometidos por Cutrone, por Calabria, pelos sumidões Suso e Hakan além de Romagnoli. Jovens atletas que tem momentos de craques e momentos de caneludos. Deles nós devemos enxergar como passos naturais, são jovens com algum potencial e vão errar muito até chegarem a seus ápices e lá também vão cometer alguns equívocos. Entretanto, erros cometidos por um dos jogadores mais bem pagos do time, alguém que fez com que a sociedade movesse mundos e fundos para atender suas, ou de seu empresário, demandas e que se vendeu como o salvador da pátria e melhor goleiro do mundo livre de falhas devem ser cobrados exatamente na mesma medida em que ele foi colocado, relativizando sua idade.


Getty Images
Getty Images

Ambos têm culpa, mas o garoto ainda pode se salvar


Os dois frangaços que Donnarumma tomou passariam como duas falhas naturais de um goleiro de 19 anos que mostrou muito talento durante toda essa temporada, e, pasmem, durante todo o primeiro tempo da mesma partida. O problema é que ao contrário dos também jogadores jovens que citei no último parágrafo, Gigio deu a cara a tapa ao fazer exigências enormes para ficar no Milan e, portanto, pode e deve ser cobrado mais do que todos, sem sombra de dúvidas. Resta a ele agora engolir os frangos, o orgulho, abaixar a cabeça do alto de seus 1,96 mts de altura e trabalhar para melhorar. Mais uma vez seu legado no Diavolo foi maculado e só ele pode consertar, se quiser, é claro. Afinal, alguns milhões de Euros franceses estão logo ali, acenando para ele.


Quanto ao resto do time, a perda da Coppa Italia é o momento exato de engolir a tristeza, aceitar que as duas partidas na Serie A contra Atalanta e Fiorentina são ainda mais decisivas e dar outra prova de que além de talento, esses jogadores estão aprendendo a amadurecer.


- Curtinhas -


Parabéns à Juventus pela vitória, pelos títulos e pela manutenção da hegemonia. Honestamente, essa dominação dos biaconeri ainda deve durar por pelo menos uns 5 anos.


Enquanto Donnarumma merece um pouco mais de paciência, Kalinic arreganhou ainda mais a porta de saída após o gol contra de ontem.


Seu Gattuso precisa desesperadamente treinar posicionamento defensivo em escanterios para esse time.