Parabéns, Diavolo. E muito obrigado por tudo

Há 115 anos, no dia 16 de Dezembro de 1899, um grupo de ingleses liderados por Herbert Kilpin, de Nottingham, e Samuel Richard Davies, de Manchester, fundava o Milan Foot-Ball and Cricket Club. O primeiro presidente foi Alfred Edwards, e Kilpin foi o técnico que conquistou os primeiros 3 scudetti dos 18 orgulhosamente carregados por todo milanista. Kilpin foi o autor da célebre frase sobre a escolha das cores preto e vermelho para o time


"Saremo una squadra di diavoli. I nostri colori saranno il rosso come il fuoco e il nero come la paura che incuteremo agli avversari!" 


Tecla SAP: "Seremos um time de diabos. As nossas cores serão o vermelho como fogo e o preto como o medo que imporemos aos adversários"


Getty Images
Getty Images

Salve, seu Kilpin


Acharam essa intro na Wikipédia também? Então, agora vamos ao texto.


Antes de mais nada, obrigado, Milan. Apesar de saber que alguns imbecis e retrógrados vão dizer que não existe paixão por um time distante ou que sou da geração de torcedores de sofá, eu os aturo por você. Já vi derrotas inacreditáveis, como a em Istambul, e vitórias heróicas como a no Old Trafford, quando mesmo sentado em meu sofá, como dizem, chorei de raiva ou felicidade como todo os jogadores que vi em campo.


Obrigado por ter me dado a honra de ver pelo menos uns 10 vencedores da eleição de Miss Futebol, tanto pela FIFA quanto pela France Football, vestir a sua camisa. E também agradeço do fundo do coração ter me deixado ver gente tão ruim, mas tão ruim de bola vestindo a mesma camisa, o que me formou o corneteiro que sou hoje, com a exata noção de quão m*erda o time é atualmente, se comparado ao de 10 anos atrás.


Mesmo sem Champions League, sem troféu algum durante três anos inteiros (entre 2004 e 2007), numa seca de Scudetto que durou 7 anos (entre 2004 e 2011), a você eu devo a minha gratidão. Me ensinou que torcer por um time é muito mais do que ficar olhando a sala de trófeus se encher cada vez mais e, ao primeiro sinal de derrocada, abandonar a torcida e virar a casaca, como diz o velho deitado.


Dá para perceber, nessa época de matar cachorro a grito, quem de fato tem empatia pelo clube, pelas cores, pela história. E isso é muito, mas muito importante para separar o joio dos "torcedores de moda da geração Playstation vida loka boladão chock" do verdadeiro trigo, que sofre e ofende toda a geração do Bonera simplesmente porque ele está no Milan há mais de 8, quase 9 anos e ninguém vê que ele não joga nada há tanto tempo.


Obrigado por me ensinar a diferença entre líbero e zagueiro de sobra, entre o Favalli e o Maldini, o Pippo e o Torres, o Serginho e o Constant e, principalmente, entre torcer por um time treinado pelo Ancelotti e pelo comandado pelo Allegri.


Divulgação/AC Milan
acmilan.com

Me esquece, cara


E que venham mais 115 anos de glórias, derrotas, atletas que jogam o fino da bola e os que desafinam mais do que a Vanusa ou a Cláudia Milk.


-Espaço reservado para a cornetada de aniversário ==<O #Fuéé-


Aliás, torcer para time que não ganha nada é a especialidade do Alcysio, do Arsenalismos. Mas calma, cara, aquela taça da UCL vai chegar um dia.


Já ouvi falar que o Galliani queria incluir o Torres numa negociata com o Atlético de Madrid pelo Alessio Cerci e os colchoneros mandaram o careca tomar um remédio para controlar essa esclerose. Senil.


Pô, tô aqui na dúvida sobre o próximo jogo. Quero que a Roma vença esse Scudetto para acabar com essa hegemonia juventina escrota, mas também não quero perder pontos para os giallorossi. Podia rolar um empate aqui e a Juventus perder o jogo dela, hein. Seria perfeito.


Não esqueçam de seguir a AC Milan Brasil no twitter (@acmilan_brasil) e curtir a página da torcida no Facebook.