O Milan chegou ao fundo do poço. E ainda pode piorar

O Milan perdeu e se perdeu ontem no Olímpico. A imagem do rossonero no momento atual do time é a anarquia que se tornou a defesa """"comandada"""" por Pippo Inzaghi. Não vimos um time em campo, mas um bando de 11 candangos que coincidentemente estavam usando a mesma camisa. Uma catadão de jogadores sem qualquer plano ou ideia do que estava fazendo. Em termos modernos, cenas lamentáveis.


Não foi por esse time que eu me apaixonei.


Uma derrota para a Lazio não seria um resultado inesperado. Afinal, a Águia está voando muito mais alto do que o Capeta, lutando pelo terceiro posto na tabela com unhas e dentes, enquanto o Milan, bem, você sabe. Mas o que se viu em Roma ontem foi de encher o torcedor de vergonha e, se Galliani e Berlusca tiverem um pouquinho de vergonha na cara, mais do que motivo justíssimo para rescindir os contratos de Mexes, Muntari, El Shaarawy e, principalmente, Filippo Inzaghi. Favor não confundir o atleta Inzaghi, que sempre será uma lenda rossonera, com esse arremedo de treinador que ele se mostrou.



Não há comando. Não há plano defensivo. Todos os gols da virada merecidíssima da Lazio surgiram de falhas de posicionamento defensivo e a trolha só não chegou a medidas africanas pois, além de um atacante de ótimo nível (Menez), o Milan tem um goleiro dos melhores das galáxias.


A cada jogo cresce a certeza de que o Inzaghi perdeu o time completamente ou, o que é mais grave, todos os jogadores estão unidos com o intuito de derrubar o treinador.


Getty Images
Getty Images

Cenas Lamentáveis™


Notas do dia:


Diego Lopez - Nota 9: Indubitavelmente a melhor contratação dos últimos 6 anos. Sem ele, a Lazio poderia ter ido fundo, com areia e caco de vidro.


Abate - Nota 5: Esteve em campo e defendeu razoavelmente para uma ameba.


Alex - Nota 4: Mais lento do que a evolução dos seres vivos. E não foi por falta de aviso.


Mexes - Nota (-10): Um dos caras mais descontrolados que já vi em campo. Consegue ser pior que o Cantona nesse quesito. É cara desse Milan nervoso, cheio de falhas e problemas. Não tem que ser suspenso, e sim PRESO.


Armero - Nota 2: Acho que o Galliani tem que bater um papo com uns amigos das FARC. O colombiano perdeu TODAS as disputas com Candreva, parecia que ele nem estava lá.


Poli - Nota 4,5: Não é criativo o suficiente para ajudar a armar as jogadas. Lembre-se que o garoto é mais Gattuso do que Seedorf.


Montolivo - Nota 3: Uma das piores partidas do Capitão. Nervoso, errou passes demais e abriu o caminho para a virada da Lazio.


van Ginkel - Nota 3: O garoto foi totalmente engolido pelo meio campo Laziale.


Bonaventura - Nota 5: O Jack tentou, mas o time não ajuda em nada. Mesmo.


Menez - Nota 6: Aproveitou que a mediocridade do time ainda não tinha aparecido para atrapalhar no começo do jogo e abriu o placar. Depois, morreu.


El Shaarawy - Nota 2: Cabô, né? Ele foi inútil a partida toda, tanto ofesiva quanto defensivamente.


Pazzini, Tchértchi e Muntari - Nota 2: O mais útil deles foi o Muntari, que separou o doente do Mexes da briga por um tempo.


Não acredito que o Inzaghi vá cair hoje. Ele terá mais uma chance contra a própria Lazio no meio de semana. Todavia, além do seu emprego, uma derrota pode custar muito mais caro para o Milan, que ficaria de fora da disputa do único título possível nessa temporada.


Com essa derrota, esportiva e moral, o Diavolo caiu para a péssima ,ops, que dizer, décima posição na tabela, estacionado nos 26 pontos, ainda sem vitória pela Serie A em 2015.


-Espaço reservado para as cornetadas olímpicas ==<O #fuééé-


Car*alho, onde eu fui amarrar a minha égua quando escolhi esse time?


Tem que vender parte da sociedade agora em Janeiro. Uma injeção de grana faria bem ao clube e evitaria que o objetivo dessa temporada mudasse para evitar o rebaixamento.


O time tem jogadores de bom nível (Montolivo, Diego Lopez, Menez, Poli, Bonaventura, Honda, Rami, De Sciglio etc...), mas sem um técnico capaz, não adianta.


Em momentos como esse, a sociedade deveria entregar o time para um técnico velho de guerra, com planos simples de executar e identificado com o clube, com as cores e os torcedores. Volta, Ancelotti!