Apático no Milan, Allegri evoluiu na Juventus

Sempre cornetei. Nunca fui muito com a cara dele. Mesmo na sua melhor temporada à frente do Milan, que culminou na conquista do 18º Scudetto, na temporada 2010-2011, creditei quase toda a conquista do título na conta das estrelas do time, com a adição de Ibrahimovic, a última contratação de peso da era Berlusconi. Entretanto, chegou a hora de elogiá-lo.


Em sua primeira temporada no comando do galático time da Velha Senhora, o técnico-outrora-anta Massimiliano Allegri pode repetir o feito de José Mourinho à frente da Internazionale: conquistar o triplete (Serie A/Coppa Italia/Champions League) e, sem dúvida nenhuma, entrar para a história da rival de Turim como um dos grandes, tal como Marcelo Lippi, por exemplo.


Getty Images
Getty Images

Venha para o Lado Negro da Força #DarthAllegri


A evolução de Allegri como técnico foi gritante. No Milan, era um mentecapto cabeça dura e intransigente. Uma porta. Não sabia ler o jogo, mantinha o seu 4-3-1-2 mesmo quando a coisa não estava funcionando. E, quando resolvia mudar, não treinava o suficiente. Um dia resolveu que ia jogar num 4-3-3 pela primeira vez na vida contra o Arsenal e levou um sacode de encher os olhos de sangue. Na sua última temporada, resolveu investir no 3-4-3, com BONERA na função de zagueiro de sobra. Não injustamente saiu de Milanello escorraçado e pela porta dos fundos.


Hoje em dia esse mesmo cabeçudo varia entre um esquema com 3 zagueiros para com 3 atacantes, dependendo da necessidade da partida. E, pasmem, está se tornando um ótimo técnico - infelizmente só após sua passagem pelo Milan.


Enfim, o objetivo aqui é dar os parabéns para os rivais bianconeri por terem chegado, depois de 12 anos, à final da Champions League e, principalmente, ao Massimiliano Allegri por sua evolução profissional.


-Espaço reservado para as cornetadas Allegrianas ==<O #fuéé-


Adeus, Robinho. Obrigado por nada. Aliás, a notícia correta é "Milan demite Robinho por jogador não estar mais nos planos do clube".


Domingão, sete e meia da madrugada, Mapei Stadium, contra o Sassuolo. Alguém anima de torcer por um empate?


Um dia o Moret, do Gazzebra, me perguntou se eu sentia saudades do Allegri e eu respondi que não. A resposta não mudou, pois o trauma das duas últimas temporadas com ele no comando do Milan ainda não passou.