Despedidas e bons sinais na vitória sobre o Torino

Antes de começar a partida, o clima era pesado no Milan. Afinal, em uma temporada em que se termina entre 10º e 11º primeiro lugar não dá para dizer que havia um céu de brigadeiros sobre o San Siro e que tudo fluia bem entre time e torcedores.


Foi um jogo de inúmeras despedidas do San Siro. Algumas mais dolorosas que as outras. Por exemplo, Abbiati deve se aposentar ao final dessa temporada e, diz a rádio calciomercato, será o novo preparador de goleiros. Mesmo com algumas falhas bizarras, o arqueiro-careca prestou bons serviços ao Diavolo. E outras menos dolorosas, como as prováveis saídas de Mexes, Pazzini, e, claro, de Filippo Pippo Inzaghi. 


Contudo, duas horas depois, as coisas estavam um pouco melhores e alguns bons sinais foram notados, talvez até esperanças para a próxima temporada (chega logo, amiga).


O óbvio e ululante sinal positivo foi o retorno de El Shaarawy às redes. O pequeno faraó não foi brilhante, longe disso, mas foi preciso, algo que os atacantes do Milan não andam honrando com o contrato. Ficou em campo por 68 minutos, deu 4 chutes a gol e foi buscar a bola duas vezes no fundo da rede de Padelli. Após uma temporada praticamente jogada no lixo, é bom ver que o garoto não se abateu nem com as minhas cornetadas.


Getty Images
Getty Images

Voa, garoto, e traz de volta aquelas atuações de 2012


Outro ponto positivo foi a evolução a olhos vistos de Marcolino Van Ginkel. O meio-campista tomou para si a responsabilidade de criação do time e vem se afirmando com ótimas atuações. Ontem, a sua dobradinha com El Shaarawy rendeu várias chances, o pênalti convertido pelo Pazzini e a troca de passes para o segundo gol do camisa 92 rossonero.


E, claro, não dá para deixar de elogiar o Andrea Poli. O garoto vinha bem no trivote, precisou ir para a lateral direita por conta da estúpida, porém correta, expulsão de Zaccardo, e lá continuou atuando bem, embora menos incisivo.


Digno de nota também foi a entrada de Giampaolo Pazzini no rol de jogadores que marcaram 100 gols na Serie A.


Com 49 pontos e em 10º na tabela, o Milan chega à última rodada da Serie A precisando:


a) Vencer a Atalanta e torcer por uma derrota do Torino, para terminar em 9ª lugar;
b) Vencer ou empatar com a Atalanta para terminar em 10º lugar;
c) Perder para a Atalanta, abrir o berreiro, pegar aquele secador e torcer por uma derrota do Palermo, para não voltar à liderança da segunda página da classificação;


-Espaço reservado para as cornetadas Granata ==<O #fuéé-


O Silvinho Blau-Blau-Berlusconi falou com toda certeza que, se o Ancelotti sair do Real Madrid, vem treinar o Milan. Don Carletto, por sua vez, falou que se receber o bilhetinho azul dos merengues, vai tirar um ano sabático. Quem está mentindo?


Já circula o boato de que o técnico do Sevilla, atual campeão da Europa League e na final da competição buscando o bi, Unai Emery seria o plano B em caso de recusa do Ancelotti. Bom técnico e competente esse menino.


O rodo deve passar ao final dessa temporada em Milanello e talvez não fique pedra sobre pedra por lá. Afinal, se forem mandar embora todos os inúteis e parasitas que estão ganhando para jogar nada no Milan, vai faltar senha na fila do seguro-desemprego.