Quem venceu a Atalanta, o Milan ou a Lei do ex?

Rapaz, vocês não sabem como é bom jogar contra um time pior do que o seu. Não que a Atalanta não teve lá suas duas ou três chances claras de gol que desperdiçou, mas o time de Bérgamo consegue ser mais pobre no repertório de jogadas do que o Diavolo. A partida foi aquele reme-reme chato da porra de sempre, mas valeu o resultado.


Podemos dizer que as duas vitórias nos dois últimos jogos, quando o time marcou 6 gols e tomou apenas um, foram pontos fora da curva nessa temporada desprezível? Sim, podemos. Já dá para ter certeza de que a trilha sonora até agosto, quando começa a Serie A-tchim (saúde, narrador) 2015-2016, será "Amanhã", de Guilherme Arantes? Talvez. Acha que o Cléber Machado que está escrevendo esse texto? Não sei.


O que importa agora é saborear o fim desse pesadelo e, com uma pontinha de desconfiança, supor que as duas últimas partidas só foram tão boas justamente pois eram as últimas e a galera queria mostrar aos torcedores que a culpa dos maus resultados era do Inzaghi. Afinal, tem chefe novo chegando por aí e mostrar um pouquinho de serviço ajuda.


Getty Images
Getty Images

E viva a lei do ex!


Destaques, claro, para Jack Bonaventura que, apesar de novamente ter sido deslocado para o trivote pelo Pippo, voltou a jogar muito bem, comandar o time e  reencontrou as redes, além de Marcolino Van Ginkel, nosso pequeno holandês passador. Os pontos negativos foram o começo de partida de Mattia De Sciglio que entregava a paçoca inteira sem nenhuma vergonha no lado direito e para o El Shaarawy que jogou até bem, só que menos do que tinha feito contra o Torino e ainda fez biquinho ao ser substituído.


Digno de nota também foi que Inzaghi promoveu as estréias dos garotos Davides, Di Molfetta e Calabria, promessas do Milan Primavera.


Adeus, Inzaghi. Obrigado por deixar uma ideia de quem podem ser os jogadores aproveitáveis para temporada que vem e quem deve ser deixado de lado. E, ainda, por mostrar a todos no mundo que não vale a pena seguir queimando ídolos no comando do time.


-Espaço reservado para as cornetadas Bergamaschi ==<O #fuéé-


E o Tchértchi, hein? Ao contrário do que eu havia esperado, flopou mesmo o coitado. Manda para o Torino de volta.


2015 já e Luca Toni é o capocannoniere da Serie A. Vintage.


Parabéns ao Arsenal, do Alcysio, e ao Barcelona, do Vinícius Alexandre, pelos títulos conquistados hoje. E para o Real Madrid, do Rodrigo Rebelo, e a Roma, do Giovanni Guerreiro, deixo aqui a minha risada HAHAHAHAHAHA. Relaxem, temporada que vem tem mais.


Aliás, que porra de cabelo escroto foi aquele do Daniel Alves? Alguém deixou um tolete na cabeça do later(ala) do Barcelona.