Com que ânimo o milanista vai assistir à final da UCL?

Talvez vocês já tenham reparado, mas eu não tenho uma relação muito saudável com a Juventus. Existe um puta respeito pelo clube, pelos títulos e, principalmente, pela gerência do negócio. Alguém imaginou que um time que há sete temporadas comemorava o retorno à Serie A estaria na final do principal torneio interclubes do universo conhecido pela humanidade? Não e ainda digo mais, eu du-vi-do que o Milan conseguiria fazer o mesmo.


O meu problema são os torcedores e os dirigentes e seus egos, mas isso é problema meu.


O assunto do texto é a final da Champions League nesse sábado. Como qualquer apaixonado por futebol vou assistir a essa partida e, também, como a maioria dos 10 bilhões de habitantes do planeta, o meu time não vai estar em campo (eis aqui um fato que sempre deixa indignado quem não curte o velho esporte bretão: por que diabos assistir a uma partida que não é do seu time?).


A pergunta é, querido milanista, com que ânimo você vai assistir a essa partida?


Getty Images
Getty Images

Preparando aqui um presente para o Buffon


Se a sua opção for secar a Juve, torcer para o Messi desandar a fazer gols ao lado do Suárez e o Neymar dar vários DIBRES desconcertantes em Chiellini, Barzagli e companhia limitada, eu te entendo. Não é uma opção muito saudável (afinal, tentei fazer isso contra a Internazionale na época do Mourinho e deu no que deu), não obstante é a mais comum.


Agora se, assim como eu, você vai torcer por um puta jogo cheio de emoção e chances para todos os lados, parabéns. Você é um fã do esporte acima de tudo. 


Ganhando ou perdendo, a Juventus continua sendo uma exemplo que o Milan deve seguir a partir da temporada que vem, em sua reconstrução. E, gente, se eles vencerem, o Milan ainda terá mais do que o dobro de títulos da Champions League na sua sala de troféus.


-Espaço reservado para as cornetadas secantes ==<O #fuéé-


O tio Ancelotti falou que a resposta dele vem amanhã. Na boa? Começo a achar que é até melhor ele tirar um ano sabático e curtir um pouco a vida adoidado. Trabalhar no Real Madrid não deve ser muito fácil, e no Milan a coisa não ia ser tão simples.


Caso o Carletto não tope a tarefa, pessoalmente preferia, nessa ordem, o Montella, o Emery ou o Sarri. Em última opção o Mihajlovic, mas com muitas reservas.


Calma, gente, deixa essa maldita temporada acabar logo que teremos uma série especial de textos, com análises, porcentagens, números, mapas de calor e material exclusivo. Ou não.