Napoli: a insuportável novela de Amin Younes

Amin Younes, jovem alemão de origem libanesa, nascido em Dusseldorf em 6 de agosto de 1993, é uma das grandes promessas alemãs desde que começou sua carreira no Borussia Monchengladbach, começando a jogar pelo time principal em 2012.


Ele é o centro de grandes polêmicas nos últimos tempos, que resumem uma polêmica diplomática. Clubes alemães, italianos e holandeses estiveram disputando sua contratação. Foi visado muito pelo período no Ajax, por onde jogava desde 2015.

Até o momento em que resolveu parar de jogar e criar polêmicas, depois da Copa das Confederações de 2017, quando o alemão foi peça do elenco campeão de Joachim Low e deixou o seu segundo gol pela Mannschaft na vitória contra o México na semifinal (como o primeiro foi contra San Marino, é bom dar o destaque pro segundo...). 


Com o bom 2016-17 do Ajax, Younes se valorizou. Apesar de individualmente na temporada ter marcado por poucas vezes, seu estilo de dribles e criação de jogadas abriu os olhos para boa parte da equipes europeias. Mas com lesões, e a ascensão de Justin Kluivert, ele foi perdendo espaço e foi pro banco nos Godenzonen.


O Napoli já se interessou por ele. Em vista que seu contrato iria acabar ao final da temporada 2017-18, já costurava um pré-contrato. Em vista de que o alemão já não estava jogando em Amsterdam, era possível antecipar a chegada dele a Castelvolturno.


E estava concretizada. O alemão veio a Nápoles e assinou o pré-contrato com os partenopei. Chegou a assistir no San Paolo a vitória napolitana diante do Bologna por 3 a 1 no dia 28 de janeiro. Mas de uma hora pra outra, após o jogo, sumiu de Nápoles e voltou pra Amsterdam.


Naquele dia, ele alegou que seu avô estava doente, que tinha problemas pessoais, e que por isso não poderia se apresentar ao Napoli em janeiro. O que era definitivamente muito estranho. Além disso, ele alegava questões burocráticas com o Ajax.


Estranho a ponto de De Laurentiis chegar e dizer que o Bayern, que realmente procurou o jogador, estava por trás da negociação. O motivo seria que os bávaros (assim como ele e o próprio Napoli) têm relações políticas relativamente fortes com a eterna rival Juventus.


Dias após o fim da janela de transferências, de repente Younes quis cancelar tudo o que assinou. Muitos falaram que o Ajax estava por trás disso, mas era Younes quem procurava advogados para cancelar seu contrato. E todos já confirmaram o óbvio: Younes assinou contrato e é jogador do Napoli, como confirmado pelo diretor esportivo e ex-craque do Ajax, Marc Overmars.  


Ele chegou a declarar ao Telegraaf, como se o contrato não tivesse sido assinado: "Eu não sei se vou para o Napoli no próximo verão, nós não chegamos a um acordo por razões pessoais, várias coisas aconteceram, mas eu não quero falar sobre isso. Possível renovação com o Ajax? Não posso excluir essa possibilidade". 


Segundo o advogado do Napoli, Mattia Grassani, Younes assinou o seu nome em 31 contratos e documentos relacionados a sua ida para o clube. Todos eles acompanhados de advogados italianos, de seus representantes e seu agente. Com total consentimento de todos eles.


Reprodução: Getty Images
Reprodução: Getty Images

Younes e a sua comemoração com Joachim Low do seu gol diante do México. Sua última partida na seleção alemã até aqui


O seu comprometimento com o próprio Ajax já não é muito bom. Vide quando, durante a vitória por 4 a 1 sobre o Heerenveen pela Eredivisie, em março, ele se recusou a entrar em campo, alegando que aquilo "não era necessário". Resultado: passou a ter que treinar e jogar com o Jong Ajax, o time juvenil dos Godenzonen. 


O jogador, que só fez 9 jogos na atual temporada e marcou apenas uma vez, foi até mesmo excluído dos treinos do time principal por indisciplina. Isso inevitavelmente teve um preço. Sonhava de maneira meio distante com uma vaga na seleção alemã que disputará a Copa do Mundo e, por não jogar, não será convocado. 


O alemão teria contratado até mesmo quatro advogados para tentar rescindir o vínculo assinado com o Napoli. A estratégia do jogador e dos advogados era dizer que o contrato não era válido porque foi feito com as assinaturas digitais dos agentes, do clube e do próprio jogador. Mas que seria uma questão difícil, uma vez que esse contrato já foi registrado na Liga, e aí ele só pode sair se o Napoli vendê-lo.


Em vista de que na bola ele não conseguiria se destacar, ele resolveu adotar outra estratégia nos últimos dias. Essa, bem mais controversa do que o normal, mostrada em reportagem do jornal De Telegraaf.


Younes teria mudado de ideia sobre ir para o Napoli por algumas questões específicas: Primeiro, ele teria visto a realidade da cidade de Nápoles "empobrecida" e encontrado cara a cara membros da Camorra. Depois, Sarri teria lhe dito que ele precisava ter tempo pra se adaptar ao clube e à Itália, o que lhe complicaria uma disputa por vaga na Copa do Mundo.


Por fim, outra coisa que teria irritado o jogador seria a questão dos direitos de imagem com o Napoli, que são mais interligados ao clube do que ao próprio jogador, usando táticas conhecidas no meio do cinema (área do presidente De Laurentiis).


Além disso, ele estaria forjando lesões no Ajax para não jogar, porque haveria uma cláusula de renovação automática em seu contrato por número de jogos, o que explicaria também a recusa em entrar em campo na partida contra o Heerenveen.  


Eis que de uma hora pra outra, no mesmo dia, o agente do jogador, Nicola Innocentin, disse ao site de Gianluca Di Marzio (o guru do mercado de transferências) que a reportagem do Telegraaf era falsa e que todas aquelas histórias, especialmente a da máfia, eram mentira. E confirmou que o jogador assinou com o Napoli até 2023.


A última do alemão é que agora numa tentativa de "retorno pra casa", segundo o portal alemão Sport1, ele teria assinado com o Wolfsburg, ignorando o que havia assinado em Nápoles. Mais tarde, o clube alemão negou as especulações, por meio de nota oficial para a imprensa. 


Em meio a isso tudo, há relatos de que o Napoli só venderia o jogador por cerca de €10 milhões no próximo mercado. O Bild chegou a declarar em março que ele poderia retornar ao Borussia Monchengladbach, de onde saiu em 2015, além de supostos interesses de Bayern, Schalke e RB Leipzig. 


Em resumo, para o jogador, não existe contrato assinado com o Napoli, ou, se existe, ele está procurando uma maneira de cancelar o que assinou. Para o Napoli, o Ajax, o seu agente e quem mais procurou o jogador, existe um contrato e ele deve ser respeitado. 


E agora, quem está falando a verdade? Qual será o fim dessa novela? Terá final feliz para o jogador? Felizmente o Napoli não perdeu nada financeiramente com isso, e pode lucrar com ele. Em compensação, a perda de tempo... Bom, a única certeza é que depois desse Carnaval todo, ele não pode vestir a camisa do Napoli nem mesmo para a pré-temporada em Dimaro. 


Reprodução: Getty Images
Reprodução: Getty Images

Younes com a camisa do Ajax. Precisou-se buscar uma imagem do jogo contra o Légia Varsóvia em 2016-17, porque em 2017-18 ele raramente esteve em campo