O futebol do Palmeiras está em greve

Uma das maiores dificuldades do ser humano quando o assunto é futebol é separar o racional do emocional. Eu, como blogueiro, dono de página e coisas afins, tento sempre olhar o todo de uma forma mais fria e tento evitar a utilização do “lado torcedor” nas análises que faço.


Dessa vez, mesmo separando os dois lados, veríamos a mesma coisa no final de tudo: um Palmeiras horroroso. Feio. Maltratando a bola. Machucando o torcedor. Perfurando os olhos de qualquer amante do futebol. Sério, é provável que um torcedor de um time da série A2 do campeonato paulista tivesse náuseas assistindo à partida do Palmeiras contra o Cruzeiro. Parece que o alviverde inteiro se inspirou nos caminhoneiros brasileiros e entrou em uma greve total de futebol.


Sobre o jogo: sem muito o que falar. O Palestra Itália de Minas Gerais jogou futebol e o Palestra Itália de São Paulo assistiu de dentro do campo, parado, igualzinho aos grevistas, nas rodovias brasileiras. O Palmeiras ficou sem entender o que acontecia no gramado do mineirão até o início do segundo tempo, com a entrada de Hyoran. Que, sinceramente, é um dos únicos que merecem ser blindados da artilharia pesada de críticas que vem por aí.


O time até tentou, sob a batuta do camisa 28, fazer alguma coisa próxima do que chamamos de futebol. Isso durou até os 23 minutos, quando, em mais uma lambança, sofremos um gol inacreditável. Na boa, meu querido Edu Dracena. Com toda experiência que você tem e com tudo o que você representa para o futebol brasileiro: NÃO! A displicência com a qual você tentou cortar a bola no lance do gol é indigna de um jogador com a sua grandeza e é inaceitável para um jogador que veste a camisa do Palmeiras. E eu queria mesmo que Dracena fosse o único a ter a culpa. Queria poder isentar o resto do time. Mas não posso. Foi horrível, foi triste, foi inaceitável.


Roger Machado, eu venho tentando te defender, entender e acreditar. Tentando me cegar para esta greve de futebol que seu time vem praticando. E sei que não sou técnico de futebol, sei que muitos que dão pitacos não tem tanto conhecimento para o fazer. Mas chegou a hora de mudar!


Chegou a hora de variar, chegou a hora de abandonar esse jogo morto com 3 atacantes. Chegou a hora de parar de queimar o Dudu com a torcida colocando o jogador para correr atrás de lateral o jogo todo e ainda sendo substituído por não ter marcado o atacante adversário. ELE É UM ATACANTE! E brilhou com a camisa do Palmeiras tendo sua liberdade no meio-campo para armar as jogadas e para participar do jogo. Chegou a hora de abandonar a ideia de que a bola deve ir para um Keno, que não importa que esteja com a pior virose do mundo, que tem que driblar 11 jogadores e ficar na cara do goleiro. Chegou a hora de entender que chutão não é sinônimo de jogada ensaiada. Chegou a hora de parar de colocar um jogador que mal sabe andar nos últimos cinco minutos da partida para tentar fazer qualquer coisa na base do bumba-meu-boi! Chegou a hora de entender o tamanho do time que você está comandando e botar o time para frente.


Nós não jogamos igual nossos rivais, não jogamos como time que sofre e sai no contra-ataque por uma bola. Não está no nosso DNA. E se estiver no seu, peço encarecidamente que de um jeito de mudar ou abandone o verde e o branco das suas vestes. Não é possível que todos os jogadores sejam sem alma, que todos os jogadores sejam sem sangue e muito menos que todo o Palmeiras, qualificado como sabemos que é, tenha desaprendido a jogar futebol.


Aprenda a mudar, de uma vez por todas, porque a sua batata esta assando, e o preço que se paga pelas derrotas, meu caro colega do Sul, está subindo. Nos ajude a te ajudar, porque do jeito que somos, como torcida, jajá, a sua cabeça vai rolar!


Não aguentamos e não suportamos ver um Palmeiras como o que vimos nesta noite de oitava rodada de Brasileirão do ano de 2018, não suportamos saber que o futebol do Palmeiras entrou em greve.


Acorda!