Tô bonito, tô né?

Muitas pessoas já passaram por isso. Se não passaram, já viram alguém próximo passar. Ou viram em filmes, ou na vida real, ou até na musica do MC Kekel, a qual batiza o título deste post. Se não viram, podem ter certeza, um dia vão ver. Problemas de relacionamento são coisas muito comuns. Quem nunca vivenciou uma história de amor meio conturbada?


Aquela que começa de um jeito lindo, com ambos se doando ao máximo, trocando olhares apaixonados a cada minuto juntos, postando fotos todos os dias nas redes sociais e abusando no número de elogios e que com o passar do tempo, começa a ficar difícil. Problemas vão surgindo, erros vão sendo cometidos em ambos os lados e quando se vê, aquele relacionamento que um dia parecia de filme da Disney, vira um relacionamento colegial onde apenas o amor à lembrança do que um dia foi tão bom continua mantendo uma certa proximidade entre os dois. Toda semana, um novo erro que faz o relacionamento acabar, e toda semana uma nova saudade que faz ele se reconciliar.


No fundo, sabemos que relacionamentos assim são muito difíceis de funcionarem. Não ficamos ligados à pessoa porque ela está fazendo bem a nós, ficamos ligados pelo que um dia ela já fez. Mesmo tendo a certeza difícil de se aceitar: nada será como era antes.


@ZMarceloJr/ @ClickParmera
@ZMarceloJr/ @ClickParmera

Valdívia ontem, pareceu jogar com tristeza, sem a alegria que lhe é habitual. Parecia que estava em campo de maneira forçada, jogando contra seu próprio arrependimento.


Não, você não está num blog de conselhos amorosos de um estudante de colegial. A história que conto aqui, hoje, é a história do relacionamento entre Palmeiras e Valdívia.


Não precisamos nem comentar o quanto esse relacionamento foi lindo. Era o par mais atraente entre tantos perebas que se diziam jogadores. Era o par que mais dava certo, era o casal que todos diziam ser perfeito e que muitos torciam para que fosse eterno. Quanto amor por cada chute no vácuo, por cada chororô, por cada toque mágico, por cada declaração de amor. Quanto ódio pelas noites em que ia para noitada e só voltava no dia seguinte, com as roupas sujas e fedendo à cachaça. Quanto ódio pelo tanto que faltou de comprometimento para que isso fosse, de fato, eterno.


Ficamos muito tempo nesse “lenga-lenga” (como já dizia minha mãe), vivemos o amor e o ódio. Até que tudo realmente teve um fim. A vida seguiu para os dois lados.


Do nosso lado, acabamos melhorando muito de vida. Conhecemos novos amores, tivemos novas conquistas juntos, e hoje temos um ótimo relacionamento que se caminha para coisas muito grandes. Hoje temos um time como nunca tivemos. Jogadores de alto nível, que se entregam ao máximo por nós. Hoje temos Prass, Dudu, Moisés, Bruno Henrique e Willian. Hoje temos quem nos encantem com a bola nos pés e nos faça esquecer do relacionamento difícil que um dia tivemos.


Claro que a vida sempre dá seus jeitinhos e nos coloca frente a frente com a pessoa em algum momento. Quando isso acontece, surge uma profunda troca de olhares onde tudo o que foi vivido entre ambos retorna à mente. Do nosso lado, vimos Valdívia com um sentimento de amor e de saudosismo. Temos carinho, não podemos negar, mas sabemos que não acabou por culpa nossa. Do lado de lá, temos alguém que pensa em como foi bobo de perder algo tão incrível por besteiras impensadas e falta de entrega. Temos Valdívia, que não pensaria duas vezes em voltar, caso o déssemos uma nova chance, em algum dia.


Se seria bom, ou se seria ruim, é algo a se pensar.


* Eu aceitaria de volta, fácil, mas essa é só a opinião de um cara que ainda não aprendeu a desapegar de antigos amores


Me siga no instagram!




 

 

 


Visualizar esta foto no Instagram.


Boa-noite pra quem ficou secando! . Semifinais! Que a @conmebol não force um Boca x River na final! . #avanti #palmeiras #avantipalestra


Uma publicação compartilhada por Marcelo Brandão (@zmarcelojr) em