Não importa o que digam. Se isso é futebol feio, o quero para toda a vida!

O ano está quase chegando ao fim e junto com ele, os últimos jogos do campeonato nacional. Sim, meus amigos, é com muita dor que eu lembro a todos que faltam apenas quatro rodadas para o fim da temporada. Triste, todos nós amamos o Brasileirão, no entanto, feliz porque ao final dessas quatro rodadas certamente já teremos levantado o caneco e colocado a coroa de melhor time do Brasil pela décima vez. Sim, décima vez. Não importa o quanto questionem. Problemas como esse podem serem resolvidos direto na ouvidoria da CBF.


E não, não estou cantando vitória antes da hora. Já nos seguramos bastante e apesar de tentarmos negar para que não haja qualquer “zica” que nos faça perder um titulo que já é 96% certo (segundo alguns matemáticos), sabemos que é quase impossível que o Palmeiras perca dois em quatro jogos estando invicto há dezoito, somado a uma sequência de quatro vitórias em quatro jogos do atual vice-líder Internacional.


Não é arrogância, não é prepotência e não é fazer festa à toa. Nós, palmeirenses, sabemos bem como é o nosso dia-a-dia de palestrinos. Nós mesmos já pressionamos o time diariamente para que ele jogue da melhor forma possível, para que os jogadores deixem tudo de si dentro do campo, mas se tem algo que não aguentamos, é ver todos os dias a parte parcial da imprensa atirando pedras em um time que fez um ano que não foi perfeito por alguns detalhes.


Certo dia dessa semana me deparei com uma notícia que dizia claramente que mesmo que com a conquista do TÍTULO BRASILEIRO, o ano do Palmeiras seria um FRACASSO. E na boa, essa mensagem não tem intuito de atacar ninguém, mas sim jogar um pensamento ao ar: vocês, jornalistas parciais, entendem o quão feio é isso tudo?


Há quatro anos nos víamos no fundo do poço e hoje, quase chegando a três títulos nacionais conquistados desde então, ainda acham que conseguimos ver algum fracasso em um ano em que “só” um Brasileirão foi possível.
Por muito tempo achei que a torcida palmeirense tinha alguma terrível mania de perseguição por acreditar que parte da imprensa fazia de tudo para jogar o alviverde para um nível mais baixo quanto o possível. Hoje vejo que isso não só é real como tem se intensificado a cada temporada. Repito, por parte da imprensa.


Vemos críticas à um time que cresce e se estabiliza mais ainda como uma potência a cada ano que passa. Vemos exigências por retorno imediato a um investimento feito. Vemos uma espécie de obrigação que é imposta ao clube por ser o maior clube da América, como se todo um projeto determinasse o resultado de todos os campeonatos. E pra piorar, conseguimos ver comentários providos por parte generosa da imprensa dizendo firmemente que um clube que tem a possibilidade de ser recordista em pontuação na era do Brasileirão por pontos corridos não pratica um bom futebol.


Que não pratique um bom futebol então. Que nenhum time do Brasil pratique um bom futebol da mesma maneira que faz o Palmeiras. Certamente teríamos campeonatos muito mais disputados do que os atuais e veríamos o nível do belo e decadente futebol brasileiro se elevar. Se chegar em uma final, duas semis e conquistar um título no maior torneio nacional é praticar um mal futebol, desejo do fundo do coração que o Palmeiras siga “jogando feio” como está fazendo pelo resto de sua história.


E não se enganem, torcedores. Não se deixem pensar que tamanhas falácias são direcionadas a todas as equipes de forma igual. Já cansamos de ver times que tanto investiram nos últimos anos e só conseguiram sentir mais que o cheiro de alguma taça nos campeonatos regionais saírem, de alguma maneira, despercebidos do muro de fuzilamento de parte da imprensa, que parece só mirar em pessoas vestidas de verde em vários momentos.