Não quando queremos, mas seremos

Ai, ai, ai, ai... que vontade de poder controlar o tempo.


De todos os superpoderes imagináveis, o de controlar o tempo e de viajar através dele sempre foi um dos meus preferidos. Imagina só, poder consertar algo que deu errado no passado, poder prever o que vai rolar no futuro. Imagina só, poder fazer o tempo correr mais rápido para se chegar nos finalmentes mais depressa.


Algumas rodadas atrás fiz contas e simulei alguns resultados. Tudo indicava que o Palmeiras seria campeão brasileiro mais uma vez contra um time alviverde, a exemplo de como foi na última vez que conquistamos o Brasil, em 2016.
Bastava um empate dos outros que ainda sonham (ou sonhavam) com a possibilidade de chegarem ao título somados a uma vitória Palestrina. Pronto. O grito que já estava entalado na garganta seria lançado pra fora da boca com toda a força possível de cada torcedor do palmeiras.
Em alguns minutos experimentamos o êxtase no allianz parque. Após o primeiro gol de Luan a porteira se abriu e a equipe começou a brocar gol atrás de gol na equipe do América. Por um ruído na comunicação, alguém deve ter gritado que o Grêmio havia empatado a partida contra o Flamengo no meio de alguma das arquibancadas e daqui a pouco todos estavam comemorando com força a chegada de mais um título. Até os jogadores perguntavam pra alguns torcedores e comemoravam dentro do campo. Tudo bem, acontece, apesar da minha vontade de açoitar o rapaz que conseguiu iludir quase todo um estádio (isso foi uma brincadeira).


De qualquer forma, creio que todos conseguiram ao máximo cumprir seus papéis no dia de ontem. O Palmeiras goleou o fraco time do América de Minas Gerais com uma atuação de time campeão, o adversário sequer deu um chute ao gol. Dudu cumpriu seu papel de ídolo com uma atuação que com certeza o definiu como o melhor jogador deste campeonato, e com um gol extraordinario. Deyverson cumpriu seu papel de menino maluquinho e mais uma vez deu o sangue (literalmente) nesta partida. A torcida fez uma festa linda e estourou as cordas vocais pra empurrar o time. E o Atlético Mineiro ganhou do Internacional e eliminou as chances de título do time gaúcho. A única parte ruim foi a de que o Flamengo também cumpriu seu papel. Assim como um Dick Vigarista, no meio da Corrida Maluca, o Flamengo deu um jeitinho de atrasar um pouco o final da corrida e adiar algo que já parece certo.


@ZMarceloJr/ @ClickParmera
@ZMarceloJr/ @ClickParmera

Deyverson abriu a cabeça ao fazer o último gol da partida. Será que vai ter de trocar o chip?


Queria eu ter os poderes de controlar o tempo. Meu papel seria nos levar direto à hora que a torcida tanto diz estar chegando. Ou de acelerar as horas pra fazer chegar um pouco mais rápido o momento em que o capitão Bruno Henrique há de levantar a taça. Ou o momento em que eu hei de colocar uma bandeira no capô do carro e sair pelas ruas da minha cidade buzinando feito um louco pela chegada do decacampeonato palestrino.


Mas quer saber? Ainda bem que não tenho tais poderes. Ainda bem que posso viver cada impaciência e angústia, assim como vivi de forma paciente alguns anos de tristeza e fracasso, posso saber esperar com paciência os poucos minutos que nos faltam para a glória.


Talvez eu não desse tanto valor à conquista, se não fosse o tamanho da espera.


Seremos contra o Vasco.


 Me siga no Instagram:




 

 

 


Visualizar esta foto no Instagram.


Ô ansiedade! . Paga mais mala branca aí @flamengo! . #avanti #palmeiras #avantipalestra


Uma publicação compartilhada por Marcelo Brandão (@zmarcelojr) em