TÁ EM CRISE?! Chama o São Paulo

O time do Palmeiras vinha mal e não encontrava o seu futebol, até acho que ainda não encontrou, mas, graças a Deus, encontrou pelo caminho o nosso freguês.


Em um primeiro tempo com muita posse de bola e ridícula objetividade, o time do Palmeiras saiu vaiado, perdendo por 1 x 0. A raiva da torcida era mais do que justa, fora mais um gol com falha do experiente Edu Dracena (ALÔ MATTOS!), o meio não tinha nenhuma criatividade e sobrecarregava o esforçado Moisés, que não é 10 e que não conseguia encontrar em seus atacantes a bola que poderia colocar o Palmeiras na partida.


Roger, que parece cada vez mais perdido, optou por deixar Lucas Lima e o menino Hyoran - que está voando -, no banco. Quando será que Roger vai aprender a ler o jogo fora do pragmático sistema que não dá certo sem Borja? Mesmo com Borja, eu ainda tenho minhas dúvidas se dá...


Depois de uma jogada individual de Keno, que só acertou isso no jogo, e falha do goleiro rival, William estufa a rede. A torcida no estádio dá outra chance ao apático catado do Roger Machado e por um único motivo: era o Palmeiras.


Com a torcida apoiando e a entrada de Hyoran com todo fôlego, o Palmeiras começa a apertar o fraco e acuado rival, que já começava a sentir a pressão da freguesia batendo a porta. O Verdão vira, amplia e cozinha o adversário até o final do jogo.


Mas Roger, meu caro treinador, você precisa acertar este time. A vitória não apaga o primeiro tempo apático da equipe, que saiu de campo sem sujar o uniforme do arqueiro adversário, que não conseguiu levar o mínimo de perigo. Moisés não é camisa 10, se nem Lucas Lima, que tem muita categoria, conseguiu dar jeito neste meio campo, como Moisés voltando de lesão daria? E não deu! Hyoran entrou voando, atrapalhou o zagueiro, que pixotou a bola para trás no segundo gol do William e deu um assistência linda para Dudu marcar o terceiro. Ah, Roger… Deixe de ser cabeça dura, dê mais chances ao Hyoran, deixe ele formar um 4-4-2 com Moisés ou Lucas Lima. Ah, Roger...


Tá na hora de pensar outras alternativas, Roger! A sua sorte hoje foi o adversário fraco e amedrontado, que não tem forças para ganhar de nós e que em 15 minutos que o Palmeiras jogou tomou três cocos. Nem sempre será assim.


Aliás, ainda bem que o ano é 2018, não tem como tentar roubar o nosso Allianz Parque. Ufa! E com isto o Palmeiras amplia a sua vantagem sobre o rival em nossa nova casa. São sete vitórias em sete jogos, são 21 gols marcados e apenas quatro sofridos. Sábado termina sem nenhuma novidade, termina como começou: Rival do Jardim Leonor: FREGUÊS!