O Palmeiras está com algo a menos

O Palmeiras está sem vontade de ganhar. Não confundir com corpo mole ou vontade de perder, não é isso. É simplesmente uma falta de desejo. Dizem que os times que vencedores têm um algo a mais. Pois o Palmeiras, atualmente, tem algo a menos.


A estreia do time no Campeonato Brasileiro, contra o Botafogo de Alberto Valentim, no Rio, mostrou bem isso. No empate por 1 a 1, houve três momentos distintos do time em campo. Um primeiro tempo com muito mais posse de bola que o adversário, mas apenas um chute a gol. Um segundo tempo de quinze minutos de vontade e disposição. E um final de jogo sem brilho, novamente.


Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press
Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press

Roger, técnico do Palmeiras, cabisbaixo durante o jogo


O número baixo de chutes a gol deixa bem clara a falta de tesão do Palmeiras por ganhar o jogo. Numa época em que o futebol é cada vez mais científico, há máximas que sobrevivem. Desde pequeno, quando aprendi a correr atrás da bola, sempre ouvi que quem não chuta, não faz gol. Ao que me consta, isso ainda segue sendo verdade.


O Palmeiras jogou os últimos dois jogos, Botafogo, ontem, e Boca Juniors, na semana passada, como se a vitória fosse aparecer como consequência de troca de passes, como se não precisasse se esforçar e superar o adversário também na vontade. A vitória não pode ser consequência de nada. A vitória tem que ser objetivo.


É evidente que o time ainda sente os efeitos da derrota na final do Paulista. O time está abatido. Pelo segundo jogo consecutivo, Lucas Lima foi nulo em campo. Dudu, até a bela jogada que resultou no gol de Guerra, também parecia estar em outro lugar, outra dimensão. E o gás de Bruno Henrique, que o fez ganhar a posição no meio, também já parece estar se esvaindo. Não deve demorar para Moisés ganhar essa posição.


Sobre Felipe Melo e a zaga do Palmeiras, um parágrafo à parte.


Felipe continua bem com a bola no pé, inverte a jogadas, se aproxima dos meias, dá opções. Mas, na marcação, claramente falta-lhe fôlego. Antônio Carlos, desde a falha contra o Corinthians, parece ter sido infectado por uma bactéria, ou algo que o valha. Passou a ser inseguro, atrapalhado. E Thiago Martins, que vinha mantendo a regularidade, foi co-responsável direto, juntamente com Melo, pelo empate alvinegro.


O Palmeiras precisa acordar. Há um campeonato inteiro à sua frente, uma folha em branco. Ganhar não é obrigação. Mas querer ganhar, sim.


Mudanças


Roger, meu chapa, não mexe no que tá funcionando. Victor Luis é titular na esquerda. Diogo vai ter de esperar mais um pouco para ter vez. 


Já no que não está funcionando, pode mexer. Edu Dracena tem lugar no time, de novo. Um dos dois bons e jovens zagueiros precisa descansar. Nem precisa ser o Antônio Carlos, que está errando mais. 


No meio, já que temos a opção Guerra, Lucas Lima pode dar uma descansada. Bem como Bruno Henrique ou Felipe Melo. Os dois estão cansados, dá para ver de longe. Moisés tem entrado bem. De repente, até o Tchê Tchê pode ter nova chance. 


Seu elenco é grande e bom. Use-o.