Fim da linha: com decisão nos pênaltis, Paraná se despede da Copinha

Pouca criatividade, excesso de lançamentos e muita raça resumem a partida do Tricolor contra o Cruzeiro que aconteceu nessa manhã de sábado (3).


O Cruzeiro começou pressionando e tendo oportunidades mais claras que o Paraná. Aos 7 minutos, Cacá forçou Guilherme a realizar uma grande defesa e salvar o Tricolor. Apenas 5 minutos depois, o gol foi inevitável. Vitinho cruzou para Alesson que, além de manter viva a “Lei do Ex”, abriu o placar para o time mineiro.


O Paraná pareceu não sentir o gol e foi superior ao adversário no restante da primeira etapa. As melhores oportunidades foram criadas por Andrey e Warley, mas nenhuma capaz de empatar a partida.


O segundo tempo foi marcado por um jogo morno e um Cruzeiro que conseguiu controlar a partida muito mais do que o Paraná. Controlava, mas não criava.


E se faltou técnica, não faltou raça. Como em todos os outros jogos, o Paraná não desistiu em momento algum de buscar a vitória. Nos minutos finais, Lucas Sene manteve viva a chance do Tricolor com o gol de empate. Em seguida, Gaevicz ficou perto de marcar o que seria o gol da virada e da classificação.


Divulgação/Paraná Clube
Divulgação/Paraná Clube

União do elenco Tricolor.


Com o empate no tempo regulamentar, a decisão foi para os pênaltis e, sem grande aparição dos goleiros, restou aos batedores definirem a vaga. No lado Paranista, Marcelo e Kesley desperdiçaram suas cobranças e o Cruzeiro avançou para a próxima fase.


É o fim da linha na Copinha para os meninos do Tricolor. Resta agora erguer a cabeça e trazer na bagagem toda a experiência adquirida para que possam crescer e evoluir cada vez mais.