Paraná Clube: raça e dedicação em troca de nossa paciência

A semana da torcida Paranista começou diferente do que era esperado. No último domingo (28), o Paraná Clube enfrentou o Londrina pela terceira rodada do estadual e, novamente, não conseguiu conquistar a vitória. Travados na tabela, sem vitória em três jogos e somando apenas 1 ponto, após o empate o presidente Leonardo Oliveira pediu calma ao torcedor.


Gazeta Press
Gazeta Press

Tricolor sai na frente mas cede o empate ao Londrina


“Gostaríamos que os resultados fossem outros, porém é importante falar pro nosso torcedor que estamos apenas há 20 dias em pré-temporada. Precisamos ter um embasamento físico, e um trabalho focado no nosso maior objetivo, que é a permanência na Série A do Brasileiro. Não podemos buscar o auge físico durante o Campeonato Paranaense, não é o objetivo.”


As palavras do presidente ficaram ecoando durante dias quando o assunto era o Tricolor. E tudo bem, vamos tentar enxergar de uma maneira mais amigável o que tem acontecido no início da temporada. Após conquistar o acesso em 2017, todos sabiam da possibilidade de ocorrer um grande desmanche no time. Não era segredo para ninguém que viraríamos uma vitrine e que muitos dos jogadores teriam seus caminhos direcionados para times que realizassem propostas mais atrativas.


Além da questão do desmanche do time, temos que levar em conta o teto salarial imposto pelo clube para que não ocorram atrasos e não prejudique todo o planejamento. Sabemos que o trabalho existe, sabemos de todas as dificuldades que são encontradas no caminho e sabemos de todas as limitações existentes. Por saber de tudo isso é que, mesmo que não nos peçam, temos tanta paciência.


Existe um provérbio chinês que diz “espere com paciência, ataque com rapidez”. Creio que, ao nos pedirem paciência, possamos pedir a rapidez na reorganização do time. É, de fato, algo complexo e difícil de fazer, mas, ao mesmo tempo, a torcida já está cansada de ouvir sempre as mesmas desculpas e o mesmo pedido de paciência.


– Eu preciso defender bem e atacar bem. É preciso que a gente tenha 11 líderes em campo, isso é fundamental para conseguir sair dessa primeira dificuldade no ano. Quanto mais você se sentir pressionado, mais você precisa reagir – comentou o técnico Wagner Lopes em entrevista coletiva.


Gazeta Press
Gazeta Press

Wagner Lopes cobra uma nova postura do time para as próximas partidas


Hoje colocamos em campo um time que busca o resultado mais importante dos 4 primeiros jogos que realizou até agora nessa temporada. Iniciamos nossa jornada na Copa do Brasil, contra o URT, em Patos de Minas. Jogamos com o regulamento embaixo do braço e com a possibilidade de classificação para a próxima fase apenas com um empate – um grande perigo dependendo da postura do time durante a partida.


Ao presidente, informamos: nossa paciência é gigante. Por muitos anos demonstramos ter toda a paciência do mundo em relação a todo e qualquer resultado apresentado pelo time. Não significa que deixaremos de cobrar um bom rendimento, que vamos aceitar tudo e fingir que não existem erros. Do lado de cá do alambrado sempre existirá o apoio incondicional. Dentro de campo apenas pedimos o básico: JOGUEM POR NÓS!