Paraná: perder uma batalha não significa perder a guerra

Tinha tudo para ser um domingo daqueles de ficar marcado na memória. As ruas cheias, nossas cores espalhadas por todos os cantos, a Vila Capanema já estava repleta de Paranistas as 9 horas da manhã e o torcedor fazia com que a partida tivesse início ali, na festa preparada para receber nossos jogadores. O que não esperávamos e não queríamos que acontecesse era o tropeço. Contra o atual campeão brasileiro não se pode tropeçar, não é permitido desperdiçar oportunidades ou abrir espaço para que trabalhem.


O Paraná entrou em campo com vontade, mostrando que evoluiu e que poderia brigar de igual para igual contra o Corinthians naquele momento. Criamos boas oportunidades e, até os 20 minutos do primeiro tempo, o domínio do jogo era tricolor. Mas, lembramos, um tropeço pode ser fatal. Na série A, contra um time que já possui um entrosamento da maneira que o Corinthians possui, a tranquilidade mental é tão importante quanto a qualidade de futebol apresentada. Pecamos.


Gazeta Press
Gazeta Press

Alemão em lance durante a partida


Bastou um apagão geral no Paraná para que o Corinthians jogasse uma pá de cimento no ânimo e na organização que havíamos criado. Em apenas dois minutos, dois gols que enterraram o futebol do time tricolor. Para ser sincera, era inacreditável. Não parecia possível que o time que tanto havia criado até ali e que tão bem se postava em campo, de repente, se encontrava numa situação delicada como aquela e que sentisse tão forte o golpe do gol. O elenco parecia ter se dispersado como um todo, parecia não ter entendido o que estava acontecendo e, como numa pane geral, se desestruturou para o restante da partida.


Tecnicamente falando, é possível encontrar um bom futebol no Paraná Clube. Temos algumas peças que estão evoluindo a cada rodada e que demonstram poder enfrentar qualquer time da série A sem se abalar com situações diversas. Mas é preciso ter cuidado, ainda falhamos muito em alguns momentos do jogo e ainda é necessário trazer reforços para a continuidade do campeonato. Diferente do que foi falado no início do ano, agora não podemos mais esperar. Temos pressa, a cada rodada o tempo diminui e qualquer ponto desperdiçado pode ser um risco ao final da temporada. É possível pensar positivo, mas também é nítido que precisamos de laterais e reforços na zaga, por exemplo.


Enfrentamos hoje o atual campeão brasileiro, fizemos uma festa linda (que será compartilhada aqui da maneira que merece), com a cara do futebol de verdade, uma festa para coroar uma torcida apaixonada que jamais irá abandonar esse time. Saímos derrotados em campo, mas com a certeza de que ainda podemos escrever grandes histórias durante o ano se soubermos lidar com cada situação da melhor maneira possível. O momento agora é de levantar a cabeça e seguir em frente em busca do nosso principal objetivo no ano. Perdemos uma batalha, mas a guerra continua.