Em noite de Ivan, Macaca 'sobrevive' na Copa do Brasil

A Ponte Preta é uma equipe de extremos no ano de 2018. Terminou o Campeonato Paulista com a melhor defesa (8 gols sofridos) e disparado com o pior ataque da competição (apenas 6 marcados). Nada mais justo que, para um time com essas características, o placar mais comum seja o 0 a 0. Mas ontem, contra o Sampaio Corrêa, no Maranhão, esse resultado não bastaria para a classificação da Alvinegra no tempo normal, exatamente por ter empatado sem gols no jogo de ida, em Campinas. 


Graças ao brilho de Ivan, a Macaca conseguiu segurar o 0 a 0 no tempo normal e, de quebra, o goleiro se garantiu nas cobranças de pênaltis, classificando a Alvinegra para a quarta fase da Copa do Brasil.

Extremos


Como deve pensar o torcedor mais crítico, a Ponte também pode ser considerada uma equipe de outros extremos: a extrema fragilidade técnica de seus jogadores e extrema inexperiência, extrema falta de entrosamento, extrema incapacidade de seus gestores em montar um time decente, extremo descaso das administrações que derreteram a Alvinegra em dívidas e etc. 


Foi o sexto empate em 0 a 0, em 16 jogos no ano. Mais de um terço das partidas. Pior, o sexto jogo seguido sem marcar um gol sequer. O grito entalado na garganta do pontepretano acaba saindo em brados de revolta, é inevitável. E também inadmissível que o clube se arraste dessa maneira no início de uma temporada importante. Aterrorizante. 

O jogo 


Diferentemente das outras partidas no ano, em que a Ponte Preta se mostrou defensivamente muito sólida e por isso concedeu poucos gols aos adversários que enfrentou, ontem a Macaca "sobreviveu" à partida principalmente pela ineficiência do frágil ataque do Sampaio Corrêa. Ficou difícil saber quem era pior. 


A princípio achei acertada a decisão de Brigatti em se fechar. Toda vez que a Ponte dava um passo mais à frente no gramado e buscava ofensividade, sofria com contra-ataque. O problema foi quando o Sampaio, também recuado no começo da partida, descobriu, já do meio para o final do primeiro tempo, que se saísse para o jogo não ia correr perigo algum, já que a Macaca é completamente inofensiva com a bola no pé.


Logo a partida passou de cautela dos dois times, um com medo do outro, para domínio de ações do clube maranhense. Ainda antes do intervalo, Alyson, camisa 6 do Sampaio e um dos principais escapes ofensivos do time da casa, ganhou jogada nas costas da Avenida Emerson, deu um chapéu lindo no beque de fazenda Renan Fonseca e saiu cara a cara com Ivan. Ao contrário de Courtois, Ivanzinho fechou as pernas e praticou seu primeiro milagre da noite. 

Na segunda etapa, a Ponte até voltou um pouco melhor. Trocando mais passes, com mais domínio da posse de bola. Embora, por falta de qualidade no ataque, os lances mais agudos de perigo continuassem a cargo dos maranhenses. Não foi uma boa partida do sistema defensivo da Macaca. Emerson era uma mãe na direita, Marciel sonolento na esquerda e Renan perdido na zaga. Só se salvou Luan Peres - que fique, pelo amor. Na linha adiante, mais uma partida segura de Nathan e outro jogo displiscente e fraco de João Vitor. 


Dessa maneira, foram várias as chances do Sampaio Corrêa ter saído com a vitória. Faltou mais capricho do time de São Luís, sobretudo de Alyson, que perdeu mais uma chance, mandando para fora um cruzamento que recebeu quase debaixo do gol de Ivan.

Lucas Mineiro deu para o gasto defensivamente, mas deixou muito a desejar na transição e praticamente não criou nenhuma jogada. Aliás, a Ponte Preta mal jogou futebol, quando atacava era na bagunça, no improviso. Toda e qualquer bola que chegava em Felippe Cardoso era quadrada e o centroavante fez mais uma partida ruim. Tirando uma falta que mandou na lua, Silvinho foi menos pior do que nos últimos jogos e Orinho esteve muito tímido. Assim se explica facilmente o final em 0 a 0. 

Se ainda não foi vazada na Copa do Brasil e está viva na competição, pode botar na conta do goleiro Ivan. O lado preocupante é que, em quatro jogos - e três fases diferentes -, a Alvinegra só marcou um gol: de Yuri, contra a Inter de Limeira. Aliás, a última vez que um pontepretano balançou as redes, no dia 21 de fevereiro. Três semanas atrás! 


CURIOSIDADE: você sabia que para vencer um jogo de futebol uma equipe precisa marcar gols? Pois é.
A Ponte Preta está há mais de 500 minutos sem balançar as redes.

Gazeta Press
Gazeta Press

Ivan salva a Macaca na primeira fase da Copa do Brasil, contra o Nacional, no Amazonas

Pênaltis


Disputa de pênaltis é ótimo, maravilhoso, uma das melhores coisas do mundo moderno... quando não é com o seu time.


Como bem disse o repórter Paulo do Valle, coisas de Ponte Preta: um time que fica 6 jogos sem marcar um golzinho sequer consegue ter 100% de aproveitamento nas penalidades. 


Foram perfeitas as cobranças de Marciel - no alto -, Silvinho - eu tinha certeza que ele ia perder, mano, bateu deslocando o goleiro -, Nathan - no cantinho -, Yuri - entrou para bater e também colocou bem, no alto - e Orinho - com categoria. 


O diferencial ficou por conta de Ivan. Quando fazia cera no tempo normal, esperando o jogo acabar e ir para os pênaltis, pensei: já que quer os penais, agora vai ter de se garantir. E se garantiu. 


Ele já havia defendido uma cobrança de Jadson em sua estreia como titular, contra o Corinthians, no Pacaembu. Ontem, esperou o tempo certo da batida e acertou o canto de Sobral, fazendo com tranquilidade a defesa que colocou R$ 1,8 milhão na conta e a Ponte Preta na quarta fase da Copa do Brasil.

Passou na história, na camisa, na tradição. Coisa que vai ficar cada vez mais difícil nas fases adiante. O sorteio pela CBF deve acontecer na próxima segunda-feira. 

Gazeta Press
Gazeta Press

Defesa de ontem é muito parecida com a que fez no pênalti de Jadson, na estreia da Ponte no Paulistão e de Ivan como titular da Macaca

Boa notícia!


O primeiro reforço para a Série B já foi confirmado: Léo Artur está fora da Ponte Preta. A informação foi confirmada na rádio Bandeirantes de Campinas pelo presidente José Armando Abdalla Júnior, no gramado do estádio Castelão, em São Luís. 


O meia teria pedido para deixar de jogar pelo clube. Tchau. 

Torneio do Interior


Próximo compromisso da Ponte é domingo, às 19h, contra a Ferroviária, em Araraquara. A princípio a torcida da Macaca segue impedida de visitar estádios rivais. 


Ideal é que a Alvinegra consiga rodar o enxuto elenco durante o Torneio do Interior. Colocar a molecada da molecada para jogar, dar oportunidades para quem não vem sendo aproveitado, como Jorge Mendoza, Luís Ali e outros. 


Além de descobrir com quem pode, de fato, contar para a disputa da Série B, a Ponte vem sofrendo nitidamente com o aspecto físico desde o começo do ano e tem uma chance de ouro para preparar melhor os atletas e descansar os que necessitam recuperar o fôlego de jogos e viagens em sequência. Foram duas classificações em eliminatórias disputadas no Norte do país.