'Emails do Benfica': escândalo abala o futebol português

Reprodução
Jornal O Jogo

No domingo, 10, emails do ex-diretor de conteúdos da Benfica TV vazaram na internet


“Hoje o SLB manda mesmo e os outros já não mexem nada, já não fazem pouco de nós, e o resto virá por acréscimo. (...) Hoje quem nos prejudicar sabe que é punido (...) Vamos ter os padres que escolhemos e ordenamos, nas missas que celebramos, temos é de rezar e cantar bem”, escreveu Adão Mendes, ex-árbitro de futebol e ex-integrante do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Braga, a Pedro Guerra, então diretor de conteúdos da Benfica TV. Com a leitura deste email, no dia 6 de junho, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, iniciava no programa Universo Porto da Bancada, no Porto Canal, a série de denúncias que ficou conhecida por “Apito Abençoado”, “BenficaGate” ou, simplesmente, “o caso dos emails do Benfica”. Denúncias que se tornaram alvo de um inquérito por parte do Ministério Público e de uma investigação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ).


Em matéria intitulada “A rede de ‘influência’ do Benfica”, a Revista Sábado noticiou ter tido acesso, e passo a citar o texto, “a 20GB de emails dos encarnados”. Teria sido este conteúdo, ainda segundo a referida peça jornalística, que embasou a justificativa de uma juíza de instrução criminal que autorizou buscas "ao Benfica, Luís Filipe Vieira [presidente do Benfica], Pedro Guerra, Ferreira Nunes e outros suspeitos no chamado 'caso dos emails'".


A Revista Sábado cita o documento da juíza do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, que foi apresentado aos alvos durante as buscas de 19 de outubro. "Os factos sob investigação respeitam a suspeita da actuação de responsáveis do SLB-SAD, que, em conluio com personalidades do mundo do futebol e da arbitragem, procurarão exercer pressão e influência junto de responsáveis da arbitragem e outras estruturas de decisão do futebol nacional, tendo em vista influir na nomeação e classificação de árbitros nesse âmbito". A matéria lembrava, ainda, que as buscas só ocorreram em outubro porque um juiz de instrução havia inviabilizado a ação investigatória em julho (ou seja, pouco depois do início das denúncias por parte do diretor portista).


Entre os interlocutores dos emails, os nomes mais frequentes na esfera do Benfica são o de Pedro Guerra (ex-diretor de conteúdos da Benfica TV) e Paulo Gonçalves (assessor jurídico da SAD benfiquista). Mas também há mensagens do presidente Luís Filipe Vieira e do administrador executivo da SAD, Domingo Soares de Oliveira. Além do já referido Adão Mendes, há correspondências trocadas com nomes como Nuno Cabral (ex-delegado da Liga), Carlos Deus Pereira (ex-presidente da Assembleia Geral da Liga), Horácio Piriquito (ex-vogal da Federação Portuguesa de Futebol), Ricardo Costa (ex-presidente da Comissão Disciplinar da Liga e atual vice-presidente do Tribunal Arbitral do Desporto), Mário Figueiredo (ex-presidente da Liga) e Ferreira Nunes (ex-vice-presidente do Conselho de Arbitragem da FPF e antigo responsável pela classificação dos árbitros).


No domingo passado, o alegado conteúdo da caixa de email de Pedro Guerra foi tornado público na internet. Ao longo da semana, foi a vez de Paulo Gonçalves ter parte de suas supostas correspondências eletrônicas compartilhadas na internet. Aparentemente, o suposto conteúdo vazado não é a totalidade do material alvo da investigação policial. Na última quinta-feira (14), o jornal O Jogo noticiou que o “Ministério Público ainda não autoriza o acesso da Comissão de Instrutores da Liga aos documentos do chamado caso dos e-mails. (...) A recusa tem a ver com os trâmites processuais, mas também com o facto de ainda não serem do domínio público algumas vias de investigação que a Polícia Judiciária está a seguir. Apesar de todas as revelações e mesmo da divulgação de parte substancial dos e-mails na internet, há partes importantes do caso que ainda não são conhecidas fora dos gabinetes da PJ”.


Só de Pedro Guerra foram revelados mais de cinco mil emails (em sua defesa, o hoje comentarista de TV afirma que parte do conteúdo é falso). A Revista Sábado teve acesso a 20GB de correspondências. Ou seja, trata-se de uma investigação extremamente complexa, tanto pelo conteúdo dos emails quanto pela sua densidade. Aguarda-se, assim, o que Ministério Público e Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária vão apresentar ao fim desta investigação.


Abaixo, alguns conteúdos que foram revelados desde junho passado.


SMS e código do alarme do presidente da Federação

Em junho, Francisco J. Marques denunciou no programa Universo Porto da Bancada que Carlos Deus Pereira havia enviado a Pedro Guerra um email com um anexo que conteria as mensagens de celular (SMS) do ex-presidente da Liga e atual presidente da FPF, Fernando Gomes. Em meio ao conteúdo vazado recentemente na internet consta este suposto email de Carlos Deus Pereira a Pedro Guerra. Entre as SMS do presidente da Federação, repassadas a Pedro Guerra, estaria, inclusive, o código para desativar o alarme de sua residência.


Intimidade e endereços dos árbitros

Entre os emails revelados recentemente, há alguns em que Nuno Cabral, então delegado da Liga, envia informações sobre os árbitros a Pedro Guerra e Paulo Gonçalves. Números dos celulares, endereços residenciais e profissionais, preferências clubísticas e até informações sobre as namoradas dos árbitros constam nas trocas de correspondências.


Árbitro com nota rebaixada

“Hoje quem nos prejudicar sabe que é punido”, diz Adão Mendes em trecho de email datado de 28 de janeiro de 2014 e enviado a Pedro Guerra. Pois bem, no dia 17 de junho o jornal Expresso publicou um email trocado por Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves, em que o presidente do Benfica dizia ao assessor jurídico da SAD encarnada que “temos de dar-lhe cabo da nota”. Dar cabo da nota de quem? Do árbitro Rui Costa que na temporada 2013/14 apitou um Porto x Benfica numa altura em que o clube lisboeta já havia se sagrado campeão português. O Porto venceu por 2x1, mas Vieira não gostou da atuação do árbitro, que teve nota 3,5 (máximo 5). Tempos depois, Pedro Guerra (ex-diretor de conteúdos da Benfica TV) recebeu um email de Nuno Cabral (ex-delegado da Liga) em que era informado que a nota do árbitro Rui Costa havia baixado de 3,5 para 2,0. Segundo publicou o jornal O Jogo, Rui Costa sofreu a maior descida de nota de toda a história. Em outra matéria, o mesmo jornal esportivo escreve que tentou obter de Ferreira Nunes (ex-vice-presidente do Conselho de Arbitragem e na altura responsável pelas classificações dos árbitros) uma explicação para tal fato. Ferreira Nunes se recusou a comentar o assunto. O Jogo ainda acrescenta que “o regulamento aprovado na FPF (e aceite em assembleia geral) previa que os clubes podiam reclamar das avaliações dos árbitros (...) Não era suposto, porém, que quem reclamasse soubesse a nota.”


“Sexo e traição nos mails do Benfica”

Na edição deste sábado (16), o jornal Correio da Manhã traz como manchete “Sexo e traição nos mails do Benfica”
. “Antigo delegado da Liga diz ao ex-diretor de conteúdos da BTV que há uma advogada que tem muita ´influência nos meandros da arbitragem ´e que é ´amante de uma alto responsável´ dos árbitros na FPF”, revela a matéria. “Ela tem muito influência nos meandros da arbitragem. É amante de um alto responsável do CA FPF`- este trecho constou num mail enviado por Nuno Cabral a Pedro Guerra, no dia 21 de maio de 2014”, acrescenta o texto. Na mesma edição do jornal, conhecido por seu sensacionalismo, há uma matéria sobre uma troca de emails entre Nuno Cabral e Paulo Gonçalves, em que consta um suposto catálogo de preços de garotas de programas. Segundo a publicação, uma das mulheres listadas admitiu conhecer Nuno Cabral, revelou ter ido com ele a um jogo no camarote do Estádio da Luz, mas diz desconhecer quem é Paulo Gonçalves.