Há 30 anos, Porto se tornava primeiro clube europeu a conquistar o triplete internacional

FC Porto divulgação
FC Porto divulgação

Antes do Porto, nenhum outro europeu havia conquistado os três títulos internacionais no mesmo ciclo


13 de janeiro de 1988. Há exatos 30 anos, diante de cerca de 50 mil torcedores e debaixo de chuva, no saudoso Estádio das Antas, o FC Porto recebeu o Ajax para a partida de volta da final da Supercopa Europeia de 1987. O meia António Sousa marcou o único gol da partida, dando o 1x0 aos azuis e brancos. Triunfo que, somado à vitória no jogo de ida, disputado em novembro de 1987 no Olímpico de Amsterdã, valeu aos Dragões a inédita conquista do “triplete internacional”. Antes do Porto, nenhum outro clube europeu havia conquistado no mesmo ciclo a Taça dos Campeões Europeus/Liga dos Campeões, a Copa Intercontinental/Mundial de Clubes e a Supercopa da Europa. Até hoje, o único clube português a ter conquistado a Supercopa.

Depois de surpreender a Europa ao bater, de virada, o timaço do Bayern de Munique na final da Taça dos Campeões Europeus em maio de 1987, o Porto voltou a contrariar as expectativas ao triunfar sobre outro colosso do Velho Continente, o Ajax. Naquela altura, a Supercopa Europeia era disputada em jogos de ida e volta. E o primeiro confronto aconteceu na casa dos holandeses, em novembro de 1987. Treinado por um dos maiores nomes da história do futebol mundial, Cruijff, e contando com jovens promissores como Dennis Bergkamp, Danny Blind e Ronald de Boer, o Ajax não foi capaz de dar a volta ao gol madrugador de Rui Barros (que, com muita velocidade e habilidade, marcou aos cinco minutos) e evitar que o Porto voltasse para Portugal com a vantagem na decisão.

Num típico dia de janeiro na cidade do Porto, cinza, com chuva e frio, as duas equipes voltariam a se encontrar. O Ajax já não tinha mais no banco Cruijff, que havia sido substituído por Barry Hulshoff. Os holandeses, bem ao seu estilo, tentavam dominar a partida, controlando a posse de bola a maior parte do tempo e procurando sufocar o Porto em seu sistema defensivo. A estratégia dos Dragões se repetia: davam a bola ao adversário e buscavam explorar os contra-ataques. Porém, foi num rebote, após uma cobrança de falta alçada na área, que, a 20 minutos do fim, a bola sobrou para Sousa, que bateu com categoria e assegurou a vitória portista.

Campeão europeu em Viena, em maio de 1987. Campeão Mundial em Tóquio, em dezembro de 1987. Campeão da Supercopa Europeia em janeiro de 1988. O Porto fechava um ciclo glorioso de sua existência. E fazia história na Europa. Depois dos Dragões, apenas outros seis clubes repetiram o “triplete internacional” (Milan, Ajax, Juventus, Barcelona, Bayern de Munique e Real Madrid).