Militão chega ao Porto como a principal contratação para 2018/19: mas, vai reforçar que posição?

FC Porto divulgação
FC Porto divulgação

Militão foi apresentado oficialmente pelo FC Porto ao lado do presidente Pinto da Costa


Passava pouco das 20h no horário local quando o Porto anunciou oficialmente aquilo que há algumas semanas já se sabia: o promissor defensor brasileiro Éder Militão é o mais novo reforço da equipe azul e branca. Os Dragões pagaram 4 milhões de euros ao São Paulo para antecipar a vinda do atleta, que poderia ter vindo de graça em janeiro de 2019. Militão, que assinou contrato até 2023 (o valor da cláusula de rescisão ainda não foi revelado), é a contratação portista mais sonante para a temporada 2018/19. A dúvida, porém, é saber para qual posição ele chega.


A atuação da SAD do FC Porto no atual mercado de transferências foi longe da ideal. O sistema defensivo, para o qual Militão chega, perdeu os laterais direito Ricardo para o Leicester e seu sucessor Diogo Dalot para o Manchester United; no eixo da zaga, Marcano e Reyes saíram de graça, em fim de contrato. Para preencher estas lacunas, foram contratados João Pedro (Bahia), Saidy Janko (Saint-Etiénne) e Mbemba (Newcastle). E também vieram o meio-campista Ewerton (Portimonense) e o atacante Marius Mouandilmadji (Coton Sport Garoua). Janko e Ewerton, entretanto, não agradaram ao treinador Sérgio Conceição e foram dispensados.


Pois bem, Militão chega como um coringa que pode atuar na lateral-direita (posição em que se firmou como titular do São Paulo e na qual tem evoluído como jogador), como zagueiro (sua função de origem) ou ainda como volante, lugar em que atuou, principalmente, nas seleções de base do Brasil.


A princípio, era de se imaginar que o ex-são-paulino chegasse à Invicta para ocupar o vazio deixado pelas saídas de Ricardo e Dalot na lateral direita. O veterano uruguaio Maxi Pereira renovou e é elemento importante do elenco por conta de sua experiência, mas a questão do vigor físico do jogador de 34 anos pesa quando se pensa numa temporada intensa e longa como o Porto vai ter. Para a posição, chegaram os jovens João Pedro (revelado pelo Palmeiras e que estava no Bahia) e Saidy Janko. O brasileiro, embora demonstre muita força ofensiva, ainda apresenta deficiências na parte defensiva e é aposta para o futuro. Enquanto o suíço, como já dito anteriormente, já foi dispensado.


Contudo, pelo que se tem noticiado em Portugal, Sérgio Conceição vê Militão como um reforço primordialmente para o eixo central da defesa portista. E chega com fortes chances de ser titular. Isso porque, no setor, o Porto tem apenas um nome que vem da temporada passada, em que se sagrou campeão português: o brasileiro Felipe (ex-Corinthians), que vai para a sua terceira temporada como titular do time.


O clube foi buscar Mbemba ao Newcastle, ao custo de 6 milhões de euros. Versátil, o congolês atua também nas duas laterais. Porém, machucou-se num jogo-treino na pré-temporada e tem sido desfalque. Quem tem sido titular ao lado de Felipe é o promissor Diogo Leite. Um dos jovens Diogos que despotam no Porto, Leite tem apenas 19 anos e deve ser, a princípio, a maior concorrência de Militão na posição. Afinal, a outra opção é o nigeriano Chidozie, que voltou de empréstimo do Nantes, mas não tem tido muitas hipóteses com Conceição.


Mas além de zagueiro e, eventualmente, de lateral direito, Militão ainda pode jogar como volante, graças à sua habilidade e capacidade de sair jogando. E até que pode vir a ser uma opção tática útil para Conceição, a depender do adversário que o Porto tiver pela frente. Desde a lesão de Danilo Pereira (que o tirou da Copa do Mundo, inclusive), o treinador azul e branco teve que alterar sua forma de jogar. Sem o único “primeiro volante” do elenco, Conceição optou por alinhar com um duplo pivot, com Sérgio Oliveira e Herrera mais recuados no meio de campo. Como Danilo ainda está em recuperação, Militão se torna uma alternativa interessante, caso o técnico queira atuar novamente com um “trinco”, como se fala em Portugal, à frente da zaga.


O Porto inicia sua caminhada em busca do bicampeonato português neste sábado, 11, frente ao Chaves (e os ingressos já estão esgotados). Militão já treinou com o elenco na manhã desta quarta-feira e, portanto, é opção para o jogo. Caberá a Sérgio Conceição a decisão de escalar um reforço com poucos dias de treino no time titular ou não. Mas, certamente, o brasileiro deverá estar no rol de convocados para o encontro.