Cavani, de falta, garante empate dramático no Clássico

Getty Images
Getty Images

El Matador não perdoa


Foi um Clássico daqueles no Stade Vélodrome. Mesmo com torcida única, os locais conseguiram fazer uma linda festa e arranjar confusão. Dentro de campo, vimos uma partida parelha, com poucos espaços e muita tensão.


Luiz Gustavo abriu o placar para os marselheses, coroando sua bela apresentação. Mas Neymar apareceu para empatar, em bela tabela com Rabiot. O Paris terminou a primeira etapa melhor, mas sem conseguir criar muitas oportunidades. O segundo tempo foi ainda mais tenso, com muitas provocações e disputas intensas. O Marselha voltou a ficar na frente com Thauvin, após erro de Rabiot. Mbappé, que buscou bastante o jogo, errava tudo o que tentava, enquanto Cavani mal aparecia e Neymar, o jogador por onde a bola sempre passava pelos pés, conseguiu ser expulso em dois cartões amarelos cavados por Sakai e Ocampos.


É incrível como o camisa 10 ainda cai facilmente em provocações nos grandes jogos. Seu sangue quente é um prato cheio para os adversários, e quando o duelo é um Clássico, no Vélodrome, com os donos da casa vencendo, fica simples fazê-lo perder a cabeça.


Getty Images
Getty Images

Neymar ainda precisa aprender a controlar seu temperamento


Mas quando tudo parecia perdido, assim como a nossa invencibilidade na temporada, e diante do maior rival, apareceu o herói da noite. Em cobrança de falta perfeita, aos 48 minutos do segundo tempo, EL MATADOR Edinson Cavani empatou o duelo e fez explodir a torcida parisiense espalhada pelo mundo – inclusive este blogueiro. Ele, que vinha fazendo partida muito abaixo de sua média, e certamente seria criticado por todos. Ele, que durante o imbróglio conhecido como “Penaltygate”, chegou a ter sua qualidade questionada por muita gente que não costuma assisti-lo em campo. Ele, que em noite onde Neymar poderia ter saído como vilão pela expulsão, salvou a pelo de seu colega justamente em cobrança de falta, mostrando que pode sim bater às vezes.


Cavani nos salvou em um Clássico que tinha de tudo para terminar de forma melancólica para nós. Mas o gol do uruguaio não pode subliminar nossos erros. Mais uma vez, conseguimos o ponto graças ao talento de alguém do MCN. Kurzawa não consegue convencer na esquerda, e se não fosse por Areola fazer uma defesa incrível quando estava 2 a 1, o empate seria algo impensável.


O Paris precisa evoluir mais e saber que nem tudo são flores este ano, apesar dos resultados e algumas apresentaçõe de gala. Mas vem cá, como é bom ver o Vélodrome calado, com torcida e jogadores se sentindo impotentes após mais uma decepção diante de nós, que chegamos a 15 jogos de invencibilidade diante deles.


ICI C’EST... PARIS!!!!!!