PSG: objetivo conquistado de forma sofrida

Getty Images
Getty Images

Haja coração, amigo


O objetivo foi conquistado. Terminar em primeiro lugar em um grupo com o Bayern de Munique nunca é algo simples, e o PSG deu uma grande mostra de força ao conseguir a façanha. Nos cinco primeiros jogos, a equipe mostrou um domínio e maturidade impressionantes, inclusive diante dos bávaros no Parc des Princes. Mas no último duelo, em Munique, o Paris teve momentos de instabilidade que foram preocupantes.


Para começar, há – e haverá ainda por muito tempo - um enorme elefante catalão no meio da sala. Sim, a pipocada no Camp Nou ainda reflete todos os dias de Champions na mente do torcedor mais fanático, e tenho certeza que no clube também. Por isso era tão importante classificar-se em primeiro hoje, e de preferência sem sofrer. Mas sofremos. O Bayern de Heynckes deu uma aula no primeiro tempo, surpreendendo ao dar a bola ao Paris e apostar nos contra-ataques, mesmo atuando em casa. Parecia que os alemães tinham um jogador a mais, e ele atuava em nosso setor defensivo pela direita, já que Dani não marcava bem e faltava-lhe uma ajuda que não vinha nunca. 


Getty Images
Getty Images

Donatello nos salvou mais uma vez


No intervalo, já estava 2 a 0 para os bávaros, explorando nossos erros pelas costas dos laterais – algo que venho batendo na tecla há um bom tempo – e pior, com o PSG criando apenas uma mísera chance. Na volta do descanso, tenho certeza absoluta que, além de uma ajeitada tática de Unai, o que pesou foram as lideranças do elenco. Alguém puxou o papo e deu a bronca para a equipe voltar com outra pegada, e mais confiante. Diminuímos com Mbappé, o nosso melhor em campo, após passe cinematográfico de Cavani. Poderíamos ter empatado, mas quis o destino que a Lei do Ex fizesse com que Coman deitasse e rolasse para cima de Dani no terceiro gol alemão.


E aquele elefante blaugrana, que está mais para o mais puro significado de assombração, voltou a rodear nossos corações. Felizmente, desta vez, a rede não voltou a balançar, e garantimos a classificação em primeiro lugar. Mas a instabilidade em mais um jogo fora de casa diante de um gigante na Champions voltou a preocupar. Honestamente, esperava um time mais preparado desta vez, mas também não podemos esquecer de que, do outro lado, estava um pentacampeão europeu que merece todo o respeito possível.


Que venham as oitavas, e que o Paris esteja melhor preparado para quem vier pela frente. A partir de agora, a margem de erro é mínima, e nossas qualidades e defeitos já estão expostos para a Europa inteira. Apesar dos pesares, este elenco já recuperou um pouco da confiança deste torcedor, e creio – e rezo- por um Paris Saint-Germain mais forte neste mata-mata.


ICI C’EST... PARIS!!!!!!