Virada contra o Real Madrid? O PSG já conseguiu

Divulgação
Divulgação

PSG conseguiu virada história contra o Real Madrid em 1993


O ano era 1993. De um lado, um Real Madrid que há tempos não ganhava a Champions, mas continuava se destacando continentalmente na Copa da UEFA. Do outro, um Paris Saint-Germain ainda muito jovem, com apenas um título do Campeonato Francês, mas um elenco que viria a se tornar um dos maiores da história do clube.


Esse era o panorama das duas equipes em 18 de março de 1993, antes do jogo de volta válido pelas quartas de final da Copa da UEFA. Na ida, no Estádio Santiago Bernabéu, o Paris criou algumas chances claras, mas acabou sendo derrotado por Michel, Zamorano e companhia por 3 a 1.


O Parc des Princes recebia mais de 46 mil pessoas, esperando uma “remontada” diante dos poderosos Merengues. O 4-2-3-1 parisiense do bigodudo treinador Artur Jorge não deixava dúvidas: o time precisava ir para cima se quisesse classificar-se. Com bandeirões, sinalizadores e muita festa, a torcida fez sua pressão desde a entrada, e os craques responderam à altura em campo.


O PSG – que pelo último ano de sua história atuava com um uniforme titular todo branco, com detalhes em azul e vermelho – pressionou desde o início, mas só conseguiu abrir o placar aos 33 minutos do primeiro tempo, com Weah completando de cabeça o escanteio cobrado por Valdo. O tempo passava, a tensão crescia e a esperança diminuía em um Parc que, mesmo assim, não parava de apoiar por um instante sequer. Até a partida ficar louca de vez.


Getty Images
Getty Images

Valdo foi um dos heróis da noite


Aos 36 minutos do segundo tempo, Weah tocou para Daniel Bravo (que tinha acabado de entrar) fazer o pivô e ajeitar a bola de cabeça para David Ginola, atacante, ator, modelo, cantor e apresentador de televisão, pegar de primeira e mandar a bola no ângulo de Buyo.


O Parc explodiu de vez, e o que era um estádio virou um inferno para os espanhóis, que sentiram a pressão. Aos 44 minutos, um contragolpe rápido terminou nos pés de Valdo, camisa 10 e maestro parisiense, que deixou a marcação na saudade antes de fazer o terceiro gol Rouge et Bleu. O clima no estádio era insano, mas o Real Madrid ainda estava vivo.


Prova disso foi que, aos 48, Zamorano completou de carrinho e diminuiu para os visitantes. O resultado levaria o duelo à prorrogação, mas os jogadores e torcedores parisienses não desistiriam até o último suspiro. Aos 51, no último lance, falta em Ginola pela direita. Valdo, o maestro, se encarregou da cobrança e mandou a bola na cabeça do iluminado Antoine Kombouaré, que desviou a redonda com estilo e anotou o inacreditável quarto gol.


Era o fim de um duelo épico, a primeira grande façanha do jovem PSG no cenário europeu. Kombouaré, o herói da noite, ganhava o apelido "Casque d'or" (“Capacete de ouro”) e todos seriam eternizados na história do clube. Tudo isso porque jogadores e torcida acreditaram do primeiro ao último segundo, diante de todas as adversidades e se opondo ao clube mais vitorioso do século XX, olhando sempre de igual para igual.


Que a lenda de Valdo, Weah, Ricardo Gomes e companhia sirva de inspiração aos nossos jogadores e torcedores de 2018. Perdemos uma batalha, mas não a guerra. Eu acredito no Paris Saint-Germain!


Divulgação
Divulgação

Kombouaré se tornou uma lenda após o gol marcado de cabeça


Paris SG: Lama - Sassus (Germain, 32’/2ºT), Kombouaré, Ricardo Gomes, Colleter - Le Guen, Guérin – Valdo, Ginola, Simba (Bravo, 27’/2ºT) - Weah. Técnico: Artur Jorge


Real Madrid: Buyo - Nando, Ramis, Ricardo Rocha, Lasa – Hierro, Michel, Luis Enrique (Alfonso, 35’/2ºT), Prosinečki - Butragueño (Villaroya, 18’/2ºT) e Zamorano. Técnico: Benito Floro


Gols: Weah (33’/1ºT), Ginola (36’/2ºT), Valdo (44’/2ºT), Kombouaré (51’/2ºT) para o PSG; Zamorano (46’/2ºT) para o Real Madrid.


ICI C’EST... PARIS!