Santos: uma Copinha para tirar a base da estagnação

É bem verdade que a base é um dos motivos mais fortes que as pessoas encontram para falar sobre o Santos, mas a mesma encontra-se num momento complicado em sua existência.


Devido à má gestão das divisões de base da administração anterior, muitos garotos estagnaram em sua evolução, principalmente os que estão no sub-20, que disputarão a Copinha nesse ano. Apesar de muitos torcedores subestimarem a competição, ela segue sendo um bom termômetro para medir o potencial para os profissionais.


O Peixe não entra como favorito, porém, não é um azarão. Essa incógnita deve-se a inconstância no trabalho de Aarão Alves, que não mostrou um bom serviço com os meninos do sub-20 no Paulista da categoria e que continuou no cargo devido a boa relação com o antigo presidente.


A equipe não mostrou entrosamento, apesar de manter vários nomes ao longo da temporada. A mesma que foi eliminada na primeira fase, no ano passado. Aliás, esse “grande feito” de Alves assustou, pois, o material humano que ele possuía não era para passar esse vexame grandioso.


Comenta-se que José Carlos Peres vai fazer a limpeza nas categorias de base, sobretudo nos treinadores. Aarão Alves não só precisa mostrar resultados em janeiro, como – do nada – conseguir implantar uma filosofia que não se viu durante seu comando caso pense em ficar.


Mesmo com essas ressalvas, o torcedor santista tem motivos para assistir as partidas da equipe, que começa hoje, contra o América-RN, em Novo Horizonte, às 19h15. O grupo ainda conta com Aliança-PE e Grêmio Novorizontino, que faz ótimos trabalhos nas divisões de base.


Essas ressalvas são alguns jogadores que, apesar da transição ruim, mostram talento e podem surpreender com o Santos na competição.


Guilherme Nunes é o nome que mais chama a atenção. Caso houvesse um planejamento melhor para os meninos, especialmente para aqueles que tem talento notório, ele já estaria entre os profissionais. Nunes, em tese, é o substituto ideal para o Thiago Maia, que saiu no semestre passado para o Lille. Ótimo marcador, ótimo passador e com chegada ao ataque. O volante ainda empilha várias convocações para a seleção brasileira de base, tendo sido titular em quase todas as oportunidades. Igual o nosso querido Maia. Aliás, o contrato dele termina em outubro e vários clubes europeus acompanham o garoto.


Santos FC
Santos FC

Guilherme Nunes (de colete) é o grande nome do Peixe na Copinha. O volante é apontado como o "novo Thiago Maia"


Gabriel Calabrês será o grande responsável pela armação da equipe. Jogador de cadência e visão de jogo impressionante, o menino vai para sua terceira Copinha. Revelado no Mogi Mirim, mas com assombroso protagonismo no São Carlos (que trabalha muito bem a base) até nos profissionais, Calabrês chegou ao Santos por indicação de Dorival Junior, que tinha planos para utilizá-lo no profissional. No entanto, com a demissão do treinador, o menino ficou perdido entre o sub-20 e a equipe B, na qual foi pouco utilizado. Apesar de já ser um “veterano” na competição, Calabrês terá na edição de 2018 uma grande prova de que pode ser utilizado pelos profissionais nessa temporada, especialmente porque há uma ausência de jogador para sua função lá. Potencial ele tem, porém, ele ficou perdido em meio a tantos erros da gestão.


Santos FC
Santos FC

Famoso no futebol caipira, Gabriel Calabrês será o responsável pela armação do Santos na Copinha. Jogador de grande qualidade técnica, mas que precisa se provar


Outro garoto que ficou perdido na transição falha do Peixe, além da fraca contribuição do treinador, é o talentoso Giovane Mário. Volante de origem, mas que sabe jogar adiantado na armação, ele fecha a trinca de meio-campistas qualificados que o Peixe tem. Aliás, esse é o grande diferencial do Santos para as últimas edições: um meio-campo experiente e de muita qualidade técnica. Guilherme Nunes, Gabriel Calabrês e Giovane Mário reúnem características semelhantes, sobretudo na questão do bom futebol. A criatividade deles acabou sendo limada pelo conservadorismo de seus treinadores ao longo da temporada. Espera-se muito que eles abram as asinhas nessa Copinha.


Santos FC
Santos FC

Em 2016, Giovane Mário esteve prestes a deixar o Santos devido a problemas contratuais. Hoje, ele é uma das maiores esperanças do Peixe na Copinha


Tailson e Alexandre Tam são outros jogadores que estagnaram no sub-20, mas que vão disputar essa Copinha como titulares. Ambos são jogadores fortes, especialmente o segundo. O primeiro é rápido e driblador, mas carece de inteligência tática. Os dois devem encarar essa edição como uma segunda chance em suas carreiras.


Outra atração para o torcedor santista é a presença de alguns jogadores das aclamadas gerações sub-17 e sub-15. O zagueiro Kaique e o lateral-esquerdo Rhuan representarão o sub-17 na Copinha, que poderia contar com as estrelas Victor Yan, Lucas Lourenço, Rodrygo e Yuri Alberto, porém, graças a patacoada final da gestão anterior, eles não foram inscritos a tempo e depois confirmados para a pré-temporada da equipe profissional.


Do sub-15 foram alçadas as três principais joias da geração. Tratam-se de Sandry (volante), Giovanni (meia-atacante) e Kaio Jorge (atacante). Todos eles são estrelas na categoria. O primeiro é um volante raro, de grande técnica e visão de jogo. O segundo é um craque com a bola nos pés, sendo um ótimo driblador e finalizador. O terceiro é, possivelmente, o atacante mais completo que já passou pelas divisões de base do alvinegro praiano. O potencial é inimaginável.


Santos FC
Santos FC

Sandry é um volante de grande categoria. Destaque no sub-15, ele é mais um meia-central da boa safra santista no setor


Entretanto, eles queimaram duas etapas e isso assusta, apesar do enorme potencial que eles possuem. Como todos sabem, o brasileiro não tem paciência com nada, especialmente no futebol, e apesar de todas as qualidades, a questão física é muito valorizada na Copinha. Nisso eles saem muito atrás. É um risco que o Santos corre, e que é potencializado pela incerteza já citada anteriormente.


Já fica de antemão o pedido de paciência para o santista. Relevem qualquer tipo de erro dos meninos do sub-17 e sub-15. Eles são muito jovens e não tiveram a preparação física ideal para disputar essa competição.


O fato de ser a última chance para vários jogadores do elenco que disputará a competição, pode ser o combustível que faltava para que deslanchem. Assim como o time profissional, que adora correr por fora, o Peixinho pode se valer dessa condição para surpreender na competição. Todo a sorte do mundo a eles!