Santos: contratar pouco é motivo para desespero?

Esse texto parte de dois princípios: o primeiro, de que o Santos ainda pode realizar mais contratações até o começo da temporada; o segundo, em razão do anterior, é que se trata de uma análise pontual, momentânea. Dito isto, segue.


O Santos, até o momento, contratou cinco jogadores: Vladimir Hernández, Leandro Donizete, Cleber, Matheus Ribeiro e Kayke. O mais importante: todos de posições diferentes. 


São contratações pontuais, para aumentar o elenco em posições específicas. Destes, apenas Cleber deve já chegar como titular, já que a dupla que deveria começar os jogos pelo clube está lesionada (G. Henrique e L. Felipe).


Veja que eu uso a palavra contratação, e não reforço, pois só com o tempo eles poderão provar que, de fato, reforçaram o time.


Isso justifica o desespero do torcedor santista, mostrado nas redes sociais, com o número de nomes que chegaram e com a falta de movimentação (pública, ao menos) do clube no mercado? Creio que não - uso o "pouco" porque vejo muitos falando assim. Acho um ótimo número, aliás. E justifico falando sobre todas as posições abaixo:


Ivan Storti/ Santos FC
 Ivan Storti/ Santos FC

A base está montada. Mexidas? Defendo que apenas discretas. Bem pensadas


Técnico/Elenco
Dorival Jr. tem hoje um elenco de 34 nomes - número acima do considerado ideal. Ele dificilmente muda o time titular - assim, os reservas pouco jogam. Vale acrescentar mais nomes a um elenco já inchado? 


Goleiros
Com Vanderlei como titular absoluto e Vladimir, João Paulo e John como reservas, não há necessidade de contratação.


Laterais
Vitor Ferraz e Daniel Guedes na direita, Caju e Zeca na esquerda. Com a chegada de Matheus, que joga dos dois lados (assim como Zeca), é realmente necesária mais uma chegada? Não penso assim.


Zagueiros
As lesões de Gustavo Henrique e Luiz Felipe forçaram o Santos a contratar ao menos um nome - mas ambos devem voltar antes do mata-mata da Libertadores, após maio (claro, se o time avançar). David Braz, Noguera, Veríssimo e Cleber suprem a falta dos já citados, ainda mais se Dorival realmente escalar apenas um zagueiro de ofício como titular.


Volantes
O time tem Renato e Thiago Maia como titulares absolutos. Yuri é capaz de atuar também como zagueiro na nova formação pretendida. Tem Léo Cittadini como o que entra para avançar o meio e Alison e Leandro Donizete como "cães de guarda". E Fernando Medeiros como a promessa. Já defendi até mesmo que a chegada de Donizete é desnecessária. Não é preciso mais ninguém.


Meias
Lucas Lima é o titular. Jean Mota seu reserva imediato. Em caso de necessidade, Vitor Bueno pode ser colocado na posição central. Vecchio e Longuine são outras opções. Quantidade há. Talvez haja espaço para um reforço - reforço mesmo, não apenas contratação. Um nome para brigar com Lucas Lima. Mas não é urgente.


Atacante
Ricardo Oliveira, Vitor Bueno e Copete são os titulares. Hernandez chega para ser o reserva que joga aberto. Kayke, o centralizado. Arthur Gomes pode despontar como o outro reserva que joga pelas pontas. E ainda há Rodrigão e Matheus Nolasco. Claro, um nome mais pesado, mas de real qualidade, seria bem-vindo, mas é possível sobreviver, principalmente à Libertadores, com estes nomes.


Resumindo: mantenho minha opinião de que não há motivo para desespero. É claro que ver rivais como Palmeiras e Flamengo contratando nomes fortes assusta. Mas não é certeza de que dará certo. O Santos tem um ótima base, a manteve e ela está entrosada. Pontualmente, as contratações foram corretas. Calma, santista. Vale esperar. E confiar.