Cuca comete série de erros, queima estrangeiros e se mostra o mesmo de sempre

Jornalistas raramente têm folga - mesmo em domingos. Por isso, acordar pouco antes de 11h, ter que ouvir o despertador tocar... Doeu, já que este domingo de frio em São Paulo eu não tinha obrigações profissionais. Mas, mesmo assim, optei por acordar e assistir ao Santos.


Eu sabia que era a ideia errada. Insisti nela e ela se provou... Pior ainda. Atlético-MG 3 x 1 Santos.


Cuca cometeu série de erros, começou a queimar os contratados estrangeiros e o Santos vai se afundando.


Gazeta Press
Gazeta Press

Cuca é o mesmo de sempre. E isso pode levar o Santos para uma situação sem salvação


Primeiro erro: mais uma vez, Cuca escalou Rodrygo na direita. Rodrygo virou, como bem disse o Renato Ribeiro, que escrevia aqui até pouco tempo, um "assistente do Victor Ferraz". O melhor jogador do Santos em cinco anos, desde que Neymar saiu, e que só tem um ano para ser aproveitado, virou assistente de um lateral ruim.


Rodrygo ainda fez a jogada do gol do Santos, quando Ferraz estava longe e deu liberdado ao atacante. De resto, o menino de 17 anos errou um passe no segundo tempo, em uma posição na qual nem deveria estar, Ferraz levou um baile de Cazares e o Santos levou o segundo gol. 


Segundo erro: Cuca insiste em favorecer a má fase de Bruno Henrique. O atacante mostrou todo seu repertório deste ano na partida: correu, saiu com bola e tudo, tentou cortar dois jogadores ao mesmo tempo e foi desarmado, tentou seu famoso drible "passando pelo meio do zagueiro adversário", fez falta violenta, correu mais um pouco e errou 100% do que tentou - inclusive o passe para o gol, que deveria ter sido dele mesmo, não fosse o domínio torto que lhe deu a chance de tocar para Gabigol.


Terceiro erro: Cuca manteve Alison no time titular. Alison, claro, errou o passe do primeiro gol do Galo e deixou um biraco no meio, o qual Pituca tentou salvar, mas sozinho não conseguiu.


Quarto erro: sei que Sanchez não pôde jogar, mas Jean Mota de titular, 11h? É pedir para que todos nos irritemos antes mesmo do meio-dia de um domingo.


Quinto erro: Cuca começou, como esperado, a queimar os estrangeiros. Bryan Ruiz, que foi contratado especificamente para jogar a Libertadores, que volta em 9 dias, ficar no banco os 90 minutos, para que Léo Cittadini jogue? Para que Jean Mota jogue? E Derlis? É pior que Copete - que nem precisa ser mais queimado, afinal está aí há mais de um ano nos fazendo sofrer?


Sexto erro: tenho exatamente zero coisas contra Yuri Alberto. Mas a torcida já começou a pegar no pé do menino, para que colocá-lo em um jogo como esse e deixar os gringos no banco? Para aumentar a irritação do torcedor médio com ele?


Sétimo erro: nenhuma variação tática, sério?


Outros detalhes também foram percebidos: a bronca em Dodô após o lateral pressionado após receber um passe na fogueira de Copete, dar um bico para a frente. A bronca não ser em Copete e ser no lateral só mostra como Cuca é um técnico antiquado.


Eu queria estrangeiros. Optaram por mais do mesmo. O Santos passou a ter três jogos a mais que o Vasco no momento do apito final e, mesmo assim, está muito atrás. E digo isso com todo respeito ao Vasco - que é muito, mas muito ruim.


Gazeta Press
Gazeta Press

Rezem


E mesmo assim tem gente que insiste que o alvo é Gabigol. Que fez gol. Veja bem...