Seis jogos sem tomar gol: Santos alcança marca nunca vista com David Braz

O Santos foi prejudicado (e me contenho, aqui, para não usar uma palavra mais forte) na noite desta quinta-feira, com um pênalti absurdo (e me seguro novamente para não usar um termo mais... Provocativo) não marcado em Rodrygo, e ficou no 0 a 0 com o Grêmio. Em termos de fuga do rebaixamento, bom resultado. Em termos de produção em campo, também, pois o Santos nada, ou pouco, fez para vencer o jogo.


Desta forma, seria um jogo que passaria batido pelo blog. Mas eu gosto de estatísticas curiosas. E este 0 a 0 produziu uma bem interessante.


O Santos chegou a seis jogos sem levar gol. Algo nunca alcançado com David Braz.


Gazeta Press
Gazeta Press

Gustavo Henrique, titular absoluto. Como deveria ser há anos...


É curioso que passei, neste espaço, mais de um ano colocando as falhas constantes de Braz em destaque. Mostrando que, com ele em campo, o Santos levava gols completamente possíveis de ser evitados. Mas não: era criticado, falavam que eu "perseguia" o jogador.


Jamais. Provei aqui diversas vezes que ele era um problema. Talvez, O problema. E estes seis jogos comprovam isso, enfim.


Gustavo Henrique, o qual sempre defendi como titular, fez partida nota 10 contra o Independiente. E vem bem no restante.


Robson Bambu, Lucas Veríssimo e Luiz Felipe (este, infelizmente, sempre lesionado...) também tem colaborado. Mas o ponto é: Braz saiu, Gustavo entrou, tudo melhorou.


Não é coincidência: claro, o sistema quase suicida de Jair Ventura prejudicava a defesa. Mas Braz ia mal com Levir, com Dorival (quando virou banco), com quem fosse.


O Santos chegou a ficar 5 jogos seguidos sem levar um gol sequer em 2017: uma sequência entre 7 de junho e 21 de junho, em jogos contra Botafogo (1 x 0), Atlético-PR (2 x 0), Palmeiras (1 x 0), Ponte Preta (0 x 0) e Vitória (2 x 0).


Mas, desde 2012, com Braz em campo, o Santos nunca havia ficado seis jogos sem levar um gol. Ele saiu e, incrivelmente apenas UM MÊS DEPOIS, alcançou tal marca.


Não é coincidência, repito. Não é. Espero que tenham aprendido...