Se você critica Rodrygo, está errado. Porém também está certo

Incongruências.


Tenho visto nos últimos tempos uma chuva de comentários negativos sobre Rodrygo, o moleque de 17 anos que é a maior esperança de bom futebol do Santos, ao mesmo tempo que já se sabe que vai embora logo.


Depois de um bom tempo pensando sobre tais críticas, resolvi colocar meu lado sobre esta situação aqui. E digo: quem critica está bastante errado. Mas também pode estar certo. Depende.


Getty Images
Getty Images

17 anos. O problema: já se vai


Rodrygo ainda tem 17 anos e virou titular cedo para ser o salvador de uma time perdido que era comandado por Jair Ventura. Parece décadas atrás, mas vocês lembram que em MARÇO implorávamos por Rodrygo titular, já que o time só melhorava um tiquinho que fosse com ele em campo?


Jair se rendeu à pressão e Rodrygo virou, de fato, titular - e seguiu como o melhor jogador de linha de uma equipe completamente perdida e mal comandada. Aos 17 anos, insisto.


Sabe quem teve esse mesmo percurso, o de ter que ser titular de um time horrível aos 17 anos, já sendo colocado como salvador?


Ele mesmo: Neymar.


Gazeta Press
Gazeta Press

"Filé de borboleta"


Por que a comparação? Porque Neymar, hoje um craque, e que dois anos depois daquele 2009 horrível levaria o Santos a um título da Libertadores, também sofreu, como Rodrygo vem sofrendo. Também caiu de produção, como Rodrygo caiu. Também não se sustentou como salvador por uma temporada inteira, como Rodrygo não se sustenta no momento.


Porque é normal, aos 17 anos, você variar. No campo, nos sentimentos, na escola, no que for. Você lembra dos seus 17 anos? É, então, você fez muita bobagem e estava errado na maioria do tempo. Não é por serem jogadores que Neymar, Rodrygo e outros são diferentes.


Lembremos parte do 2009 de Neymar: no Brasileiro, ele foi reserva (com 4 exceções) da rodada 3 até a 34. E isso num time que contava no ataque com jogadores gloriosos como Felipe Azevedo, Jean, Roni, Bolaños e Gil. Neymar, esse mesmo que briga para ser melhor do mundo, aos 17 anos foi reserva de um time com esse ataque e Kléber Pereira.


Nesse período, ficou entre a rodada 17 e a 29 sem um gol sequer, por exemplo. Acabou o torneio com 10 gols, sendo que 6 foram marcados nas 5 rodadas finais.


É normal, aos 17 anos, você ter fases ruins. 


Rodrygo não marca há 11 jogos e tem perdido gols fáceis, como o que daria a vitória sobre o São Paulo. Sabe por quê? Porque isso é normal.


Getty Images
Getty Images

A cara de quem perdeu o gol da vitória. Acontece


Mas aí vem o imediatismo: o tuiteiro precisa destilar ódio contra alguém. E aí o moleque de 17 anos é alvo fácil. Afinal, "ele não era o salvador?".


Como sempre digo, a falácia de que o santista respeita e espera a base dar frutos é uma mentira propagada pela mídia que não acompanha o clube. O jovem é sempre o alvo mais fácil por estas bandas. Rodrygo é mais um, e de forma injusta. Bola ele tem. Mas também tem 17 anos. Esperem.


Porém, há um problema...


Santos FC
Santos FC

Ele já sei vai...


Rodrygo está vendido. Rodrygo não conduzirá o Santos a glórias. Rodrygo não terá tempo, como Neymar teve, para jogar mal um ano, crescer no segundo e, no terceiro, alcançar o topo.


Rodrygo está indo embora e isso irrita, isso incomoda. Porque mais uma vez nos tiram uma estrela tão cedo, na base do dinheiro. Já falei para vocês que odeio dinheiro? Pois é. Capitalismo é um horror...


E isso, mesmo que seja no subconsciente, ajuda o torcedor a criticá-lo. Ele sabe que Rodrygo sairá daqui sem taça (mesmo que levante, sei lá, o Paulista no 1° semestre de 2019, não conta, final o Paulista e nada, né...), sem nos dar a alegria máxima.


Por isso o torcedor se revolta. Se vai ficar aqui tão pouco tempo, é bom jogar bola todo minuto possível.


Não vai acontecer. Mas dou razão ao torcedor que se sente assim. E por isso meu título para esse texto tem uma aparente incongruência.


No fim das contas, não é. Porque isso é o futebol: por mais que tentemos ser sempre conscientes e justos, a paixão nos pega. E quando sabemos que a paixão é efêmera, como manter a sobriedade?