Empate no Allianz mostra o que queríamos: Santos entendeu o conceito de Sampaoli

Logo aós o empate de 0 a 0 entre Santos e Palmeiras, neste sábado, Jorge Sampaoli falou em sua entrevista coletiva que seu time está num "processo novo, tentando colocar na cabeça a ideia de controlar os jogos, ter sempre a bola". 


E, no Allianz Parque, vimos que a ideia está lá. Mesmo quando cinco reservas jogam. E é isso que todos nós queríamos: pelo bem do Santos, pelo bem do futebol brasileiro. Ideias novas, jogadores que as compreendam e as coloquem em prática.


Foi só um empate. Mas foi contra o time mais rico do país, com maior elenco, atual campeão nacional. Zero reclamações sobre a aposta de Sampaoli por poupar diversos nomes. Deu certo. A ideia estava lá.


Santos FC
Santos FC

Jean Lucas mostrou que elenco é fundamental. Alison ou ele no time titular? Não importa. Ambos entenderam o que se deve fazer


Por exemplo: Everson foi o melhor em campo pelo Santos. Um goleiro que chegou sob críticas da torcida - uma torcida tipicamente brasileira, com medo do novo -, em um pedido pessoal de Sampaoli. Que foi alvo de provocação indireta, quando a Vila Belmiro aplaudiu todo toque com o pé de Vanderlei no 1° jogo do ano.


Mas que, titular, mostrou que é muito, mas muito melhor que o antigo reserva, Vladimir, e que não só sabe jogar com o pé de forma superior a Vanderlei, como também é confiável mebaixoa da trave.


Duas defesaças e muita consciência na ideia de jogo: recua para o goleiro; o rival pressiona; o goleiro enxerga a melhor situação de saída e tira, de quebra, três ou quatro rivais da marcação. Everson fez isso no Allianz. Que os críticos recuem.


Gazeta Press
Gazeta Press

Seguro com as mãos. Seguro com os pés


Dali para a frente foi o óbvio: o Santos dominou o meio, o Palmeiras explorou os laterais. O meio foi santista pporque é um time que joga como Sampaoli quer: se defende com a bola. Se o BALÓN está em seu pé, mantenha a calma. Até achar o avanço certo, não há motivo para arriscar.


Já o Palmeiras sabia que o principal defeito do Santos estava nas laterais. Dois jogadores, especialmente Copete, que não se encaixam no novo jeito de jogar. Avançado, não sabe recompor a defesa. Quase que o Santos perde por isso.


Jean Lucas mostrou que, com um técnico bom, você pode ter uma semana de treinos: vai jogar bem, pois a ideia entra em sua mente.


Agora, resta ao torcedor entender a ideia, também: saber que o Santos vai jogar com calma, sem pressa, mas consciente. E que seus reservas podem, sim, ser titulares. Porque um time bom pode ter Alison, Jean Lucas, os dois... São mais de 11 Se adapta. Se reveza. Se abraça a ideia.